fórmula 1

GP da Índia será decisivo para Alonso e Ferrari

Espanhol só marcou 43 pontos nas últimas seis provas e pode perder a liderança

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 25/10/2012 às 19:19
Leitura:

A quatro etapas do fim da temporada 2012 da Fórmula 1, o GP da Índia é uma corrida chave para as pretensões de Fernando Alonso no Mundial. Depois de liderar boa parte do campeonato, o espanhol da Ferrari entrou numa seca de vitórias e só marcou 43 pontos nas últimas seis provas. No mesmo período, o alemão Sebastian Vettel subiu ao degrau mais alto do pódio três vezes, marcou 93 pontos e assumiu a ponta da tabela no GP da Coreia do Sul, há duas semanas. Ele está agora seis à frente do ferrarista (215x209).

O GP da Índia deste domingo (28/10), a partir das 6h30 (do Recife), vai mostrar se Alonso e a Ferrari têm forças para parar a Red Bull e Vettel, atual bicampeão da Fórmula 1. O semblante do espanhol nos últimos dias é de desânimo, bem diferente de quando liderava o Mundial com uma folga que chegou a ser de 42 pontos para o segundo colocado. No entanto, o Príncipe das Astúrias garante que continua motivado.

“Minha motivação está melhor que nunca e não se trata apenas de mim. Toda a equipe está motivada, todos nela querem este campeonato. Lutamos durante o ano inteiro com nosso carro, principalmente na primeira parte da temporada e agora, a quatro provas do fim, vamos partir para o ataque com todo mundo focado”, garantiu Alonso, que busca seu primeiro título pela Ferrari.

Comemorando a tranquilidade adquirida com a boa sequência de vitórias na reta final do Mundial, Vettel garante que seguirá com a postura que o levou à liderança. “É uma posição melhor para estar em comparação com três ou quatro etapas atrás. As próximas rodadas serão muito importantes para nós, então vamos tentar fazer nosso melhor e garantir que continuaremos na liderança. Em termos de postura, nada muda na Red Bull”, garantiu.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias