Automobilismo

Ross Brawn assume comando da Fórmula 1 com dura missão

Britânico revela que prioridade será fazer audiência da categoria voltar a crescer

JC Online
JC Online
Publicado em 24/01/2017 às 13:57
Divulgação/Honda
Britânico Ross Brawn é diretor da Fórmula 1 - FOTO: Divulgação/Honda
Leitura:

Ross Brawn tem uma extensa carreira na Fórmula 1. Foi diretor-técnico da Ferrai por 10 anos, chefe de equipe da Honda e campeão mundial com a própria equipe em 2009, a Brawn GP. Agora, nomeado como novo diretor esportivo da F-1 após a compra da categoria pelo grupo Liberty Media, o britânico crê que poderá ajudar a retomar o crescimento do esporte e torná-lo mais atrativo.

Em entrevita à emissora BBC, Brawn explicou o que pretende implementar na Fórmula 1 e apontou o que ele pensa que está caminhando errado na principal categoria do automobilismo mundial. “No lado esportivo, o que quero desenvolver ao lado de todos os outros stakeholders da Fórmula 1, as equipes e a FIA é ter a visão de onde queremos estar nos próximos cinco anos. Sinto e sei pela experiência que tenho que a Fórmula 1 é reativa. Ela reage e tenta encontrar uma solução, mas muito raramente tem a visão de onde quer estar daqui a três ou cinco anos”, disse.

O regulamento dos últimos anos fez com que a Mercedes reinasse no campeonato. Sem equipes para fazer concorrência ao time alemão, a Fórmula 1 acabou ficando previsível e com isso perdeu o interesse de muitos fãs, principalmente da nova geração. “Penso que sei o que os fãs querem. Eles querem entretenimento, eles querem corridas disputadas, entenderem o que está acontecendo. Acho que todos concordam com isso. Precisamos encontrar o caminho com todas as outras equipes e as pessoas envolvidas para alcançar esse objetivo”, prosseguiu.

Nesta nova temporada a Fórmula 1 terá um novo regulamento que prevê disputas mais acirradas ao longo do campeonato. No entanto, Brawn parece querer tornar as regras ainda mais simples, visando um maior entendimento do público leigo. “Penso que simplicidade é o objetivo chave para o futuro. Tenho assistido a Fórmula 1 nos últimos anos como espectador e tem vezes que até eu não tenho certeza do que está acontecendo na corrida. É um grande esporte, uma combinação fabulosa de pilotos e suas personalidades, suas competições, os carros e tudo mais. Precisamos apenas descobrir como podemos melhorar o show”, finalizou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias