BASQUETE

Uninassau Basquete recebe Corinthians/Americana na final da LBF

Partida será a terceira da final da LBF

Matheus Cunha
Matheus Cunha
Publicado em 28/04/2017 às 8:51
Robson Neves/Uninassau
Partida será a terceira da final da LBF - FOTO: Robson Neves/Uninassau
Leitura:

Buscando superar os erros cometidos no último jogo, a Uninassau Basquete recebe nesta sexta-feira (28/04) o Corinthians/Americana na terceira partida da final da Liga de Basquete Feminino (LBF), no Sesc de Santo Amaro, no centro do Recife, às 21h30. Empatada em 1x1, a série que irá definir o vencedor da LBF será em uma melhor de cinco. Quem vencer hoje pode levantar o título no domingo, em mais uma partida no Sesc de Santo Amaro, às 12h. Ambos os confrontos terão entrada franca.

Classificada pelo técnico Roberto Dornelas como uma partida em que “a Uninassau não se encontrou em quadra”, a derrota da última segunda por 78x57, no segundo jogo da final, disputado em Americana, foi motivo de atenção na preparação para hoje. Segundo o treinador, atletas e comissão técnica assistiram a todo o jogo, buscando identificar e corrigir as falhas.

Mesmo com a derrota acachapante para as paulistas (21 pontos de diferença) no segundo duelo, Dornelas comemorou o fato da Uninassau Basquete ter vencido o primeiro encontro. A vitória deu a possibilidade das pernambucanas decidirem no Recife, onde perderam apenas duas das 11 partidas que fizeram nesta atual temporada da LBF.

“A torcida vai ter um papel fundamental na partida de hoje. A gente precisa transformar esse ginásio aqui em um caldeirão e empurrar a equipe. Sabemos que vai ser durante um feriadão e que muita gente vai estar viajando. Mas eu faço um apelo ao povo pernambucano: venham e prestigiem o nosso basquete, queremos trazer mais um título para o nosso Estado”, afirmou.

TIME JOVEM

Para o confronto desta sexta, a expectativa gira em torno de como o jovem time da Uninassau vai se comportar dentro de quadra. Essa final é a primeira decisão de muitas meninas, por isso, o lado psicológico das atletas está sendo algo bastante trabalhado.

“Temos um time jovem. A Monteiro, por exemplo, tem um futuro muito bom, mas tem apenas 22 anos, ainda vai evoluir. Dentro de quadra a gente conta com a ajuda das mais experientes para passar tranquilidade, dar uma bronca quando for necessário, como é o caso de Kelly (pivô de 37 anos)”, concluiu.

Caso a série fique empatada em 2x2, o último jogo será na próxima terça-feira, em Americana, às 21h30. E a Uninassau não tem um bom retrospecto em São Paulo em 2017. Foram quatro partidas e apenas uma vitória, justamente a que abriu a decisão.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias