Olimpíadas

Ministro do Esporte diz que plano do legado olímpico está dentro do cronograma

Picciani destacou que os investimentos do governo federal nos atletas olímpicos estão sendo mantidos, visando o próximo ciclo de formação

ABr
ABr
Publicado em 08/07/2017 às 16:33
Foto: Vladimir Platonow/Agência Brasil
Picciani destacou que os investimentos do governo federal nos atletas olímpicos estão sendo mantidos, visando o próximo ciclo de formação - FOTO: Foto: Vladimir Platonow/Agência Brasil
Leitura:

O ministro do Esporte, Leonardo Picciani, disse neste sábado (8) que o plano de execução do legado olímpico está dentro do cronograma. Ele participou de um evento no Velódromo do Parque Olímpico, na Barra, na zona oeste do Rio de Janeiro, com demonstrações de judô, jiu-jítsu, taekwondo, muay thai e caratê, atividades que serão oferecidas no local a crianças e adolescentes pelos próximos dois anos.

“A partir de hoje, teremos atividades no Parque Olímpico. Começou dentro do prazo. Nossa programação era para até em um ano haver a mudança para o modo de legado dos Jogos. Estamos começando a implantar a parte social, com nove meses [após a Rio 2016], o que está dentro do planejado, daquilo que sempre afirmamos, de até um ano para esta transformação”, disse o ministro.

Multa

Sobre pedido feito esta semana, pelo Ministério Público Federal (MPF), de multa diária de R$ 10 mil, desde o início da Rio 2016, a ele, ao governador Luiz Fernando Pezão, e ao ex-prefeito Eduardo Paes, pela não apresentação do plano de legados antes da Olimpíada, Picciani disse que a medida é indevida.

“Esse é um tema que está a cargo do Poder Judiciário, temos total confiança no julgamento que será feito pelo juiz responsável. Nós entregamos no prazo o plano de legado. Entendemos que o pedido feito pelo Ministério Público é indevido”, disse o ministro.

Picciani destacou que os investimentos do governo federal nos atletas olímpicos estão sendo mantidos, visando o próximo ciclo de formação.

“Estamos mantendo os principais programas de investimento no atleta, que são o Bolsa Atleta e o Bolsa Pódio, em que se destinam recursos diretamente aos atletas em sua preparação. Nós próximos dias, vamos conseguir dimensionar, dentro dos recursos que temos, o quanto teremos em apoio às confederações. Temos a Lei Agnelo Piva em funcionamento, repassando recursos das loterias ao Comitê Olímpico e Paralímpico. E temos diversas empresas estatais que patrocinam as nossas modalidades. O governo federal tem feito sua parte na preparação do próximo ciclo olímpico e no caminho que temos até lá.”

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias