Maratona

Agenda do Santa Cruz lotada em 2016

Neste domingo (25), Tricolor faz o seu 61ª jogo na temporada, contra o Figueirense

Diego Toscano
Diego Toscano
Publicado em 25/09/2016 às 7:59
Diego Nigro/JC Imagem
Neste domingo (25), Tricolor faz o seu 61ª jogo na temporada, contra o Figueirense - FOTO: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

Uma nova realidade para o Santa Cruz em 2016. Se há sete anos a equipe foi eliminada da Série D ainda na fase de grupos, no início de agosto e com apenas 30 partidas jogadas no ano, agora a realidade é diferente. Neste domingo (25), o Tricolor do Arruda completa o seu 61º jogo oficial na temporada, contra o Figueirense, pela 27ª rodada da Série A. É a equipe brasileira que mais jogou no ano.

Em 2016, a temporada começou bem e vai terminando de forma melancólica para o Santa Cruz. Campeão do Campeonato Pernambucano e da Copa do Nordeste, o Tricolor do Arruda é o vice-lanterna do Brasileirão, com 23 pontos. 

Além disso, disputa também a Copa Sul-Americana, competição onde está nas oitavas de final. No jogo de ida, os pernambucanos foram derrotados por 2x0 para o Independiente Medellín. A partida de volta está marcada para a próxima quarta, no Arruda. Se avançar, será o primeiro nordestino a chegar nas quartas da Sula.

Na temporada, equilíbrio nos números do Tricolor. Foram 22 vitórias, 17 empates e 22 derrotas em 2016. Até o número de gols sofridos e marcados é o mesmo: 71. Fora dessa conta existe também mais um triunfo, contra o Flamengo, no dia 24 de janeiro. A partida foi um amistoso de pré-temporada, no Arruda.

Com média de uma partida a cada 4,4 dias, o cansaço começa a afetar o desempenho dos atletas. Na partida contra os colombianos, inclusive, o técnico Doriva resolveu poupar três peças fundamentais da equipe: o lateral Léo Moura, o meia João Paulo e o atacante Keno. Os três voltam hoje, ante o Figueirense.

“É impossível não estar desgastado. Mas não temos como evitar: a gente está disputando duas competições e quer ir bem em ambas. Além disso, correr contra o cansaço não é privilégio nosso. Não podemos reclamar”, ressaltou o zagueiro Danny Morais. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias