TEMPO PARA TRABALHAR

Náutico e Santa Cruz terão tempo de sobra até próximo jogo da Série B

Timbu terá um hiato de dez dias, enquanto que o tricolor passará 14 dias apenas treinando

Filipe Farias e Matheus Cunha
Filipe Farias e Matheus Cunha
Publicado em 29/08/2017 às 7:47
Fotos: JC Imagem
Timbu terá um hiato de dez dias, enquanto que o tricolor passará 14 dias apenas treinando - FOTO: Fotos: JC Imagem
Leitura:

A chance de arrumar a casa. É assim que Náutico e Santa Cruz, ambos na zona de rebaixamento para a Terceira Divisão, encaram o hiato sem jogos na Série B em virtude dos compromissos da seleção brasileira nas Eliminatórias. Pelo lado timbu, serão dez dias sem entrar em campo. Momento bastante oportuno para “ajeitar a cozinha” e buscar engrenar de vez uma reação na Segunda Divisão. Já no Arruda serão 14 datas livres, que servirão para o técnico recém-chegado Marcelo Martelotte conhecer o plantel tricolor e também reverter a curva decrescente.

No Santa Cruz (18º, com 23 pontos), a ideia é recolocar o time nos trilhos. São sete partidas sem vencer, sendo seis derrotas seguidas, sequência que causou a demissão de Givanildo Oliveira. A série ruim mudou completamente os objetivos corais na competição. Se antes o foco era o acesso à Primeira Divisão, agora o principal objetivo é livrar a equipe da queda à Série C. E a missão caiu para um velho conhecido da torcida tricolor: o técnico Marcelo Martelotte, campeão pelo clube como jogador nos anos de 1990 e treinador em 2013 - em 2015, obteve o acesso para a elite nacional.

Martelotte, que chegou nesta segunda-feira ao Recife, terá bastante trabalho, principalmente no sistema defensivo. A equipe teve a defesa vazada 15 vezes nos últimos sete jogos. Uma média de 2,1 gols tomados a cada partida. O tricolor tem a quarta pior defesa da Série B, sendo vazado em 31 oportunidades. O tempo também poderá servir para a chegada de reforços. Porém, quando questionado sobre o assunto, Martelotte preferiu afirmar que primeiro irá fazer uma avaliação técnica do elenco.

“Vamos fazer uma análise do grupo ainda, precisamos em um primeiro momento fazer uma reunião com a comissão técnica, para que a gente possa ter uma análise inicial. A gente sabe que esse ciclo nesse momento do ano é mais difícil. Mas se a gente entender essa necessidade vamos conversar com a diretoria”, explicou. A reestreia de comandante no comando do Tricolor do Arruda será contra o ABC, no dia 9 de setembro, em Natal.

NÁUTICO

O Náutico (19º, com 17 pontos) não tem aproveitado bem os hiatos mais longos entre uma rodada e outra nessa Série B. Sempre que teve a semana livre para treinar, no jogo seguinte, o Timbu acabou saindo de campo derrotado. Foi assim após arrancar um excelente empate na casa do Londrina, na 16ª rodada, e, no fim de semana posterior, revés para o Criciúma na Arena de Pernambuco. Contra o Luverdense, pela 19ª rodada, vitória por 1x0. Mas, no compromisso subsequente, uma semana após, derrota para o América-MG, em Belo Horizonte. Por último, nem mesmo o excelente triunfo contra o Figueirense por 2x0, e os 10 dias trabalhando com o moral elevado, evitaram que os alvirrubros sucumbissem diante do Ceará.

Ciente de que não basta só vencer em casa e que precisa fazer o Náutico emplacar uma sequência de vitórias, Roberto Fernandes acredita que a equipe timbu está perto de arrancar pontos dos rivais, mesmo jogando fora de casa. “Em competições de pontos corridos, para escapar do rebaixamento, basta vencer como mandante. Já estamos fazendo isso, mas, como a nossa situação é mais delicada, também precisaremos roubar pontos fora. Sendo que, nos três últimos jogos que tivemos fora de casa, enfrentamos três equipes que estavam no G-4: Vila Nova, América-MG e Ceará. Mesmo assim, pelo que estamos jogando, acredito que o Náutico está próximo de conquistar uma vitória fora também”, falou o treinador alvirrubro. O timbu volta a campo no dia 6 de setembro, contra o Brasil-RS na Arena PE.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias