Série A

Eduardo Baptista chora ao pisar de novo da Ilha: 'É a minha casa'

Agora na Ponte Preta, ex-treinador do Sport se emocionou ao dar entrevista antes do jogo diante do Leão

JC Online
JC Online
Publicado em 27/10/2016 às 19:28
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Agora na Ponte Preta, ex-treinador do Sport se emocionou ao dar entrevista antes do jogo diante do Leão - FOTO: Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

 Campeão pelo Sport do Campeonato Pernambucano e da Copa do Nordeste em 2014, o técnico Eduardo Baptista se emocionou ao pisar outra vez na Ilha do Retiro. Agora como adversário, o atual treinador da Ponte Preta enfrenta o Leão nesta quinta (27/10), pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. 

"Dos últimos oito títulos do Sport, participei de sete, sendo dois como treinador. Aqui é a minha vida, minha casa, me abriram as portas no início, é muito especial", disse Eduardo Baptista, com os olhos cheios de lágrimas. 

Sobre o momento do Sport, o treinador disse que não acredita no rebaixamento do rubro-negro. "O Sport tem time e não vai cair (para a Segunda Divisão). Tem jogadores decisivos", complementou.

Eduardo Baptista deixou o Sport ano passado, após o time cair de rendimento no Campeonato Brasileiro. Ele foi para o Fluminense, do qual saiu no começo deste ano para a Ponte Preta. 

Ontem, ele encontrou uma Ilha do Retiro cheia e respeitosa. O estádio do Leão recebeu um bom público, 24.324 pessoas (menos do que na derrota para o Palmeiras (26.419), que apoiaram o time e não demonstraram muito rancor para com os ex-rubro-negros do time da Ponte Preta. 

O treinador da Macaca Eduardo Baptista foi quem mais despertou reações - positivas e negativas - na arquibancada da Ilha. Ao entrar no estádio recebeu aplausos da torcida leonina. Todavia ao se aproximar do banco de reservas foi alvo de algumas vaias. Os jogadores que já atuaram no Leão como Felipe Azevedo, Wendel e Reinaldo não chegaram a ser hostilizados antes da partida.

“Acho que não temos que ficar com raiva deles não, principalmente o Eduardo Baptista. Ele fez um bom trabalho no Sport, conquistou títulos e não é porque deixou o clube que não presta mais”, afirmou o comerciante Rogério Silva, fazendo referência à polêmica saída do treinador para o Fluminense no passado. Falcão assumiu o Sport na época. Depois, veio Oswaldo de Oliveira e, agora, Daniel Paulista. 

 

 

 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias