PRESSÃO

Técnico do Sport na corda bamba

Depois de ser vaiado pelo torcedor do Sport no empate em 1x1 contra o Bahia, quarta-feira, técnico leonino se vê pressionado no cargo

FELIPE HOLANDA
FELIPE HOLANDA
Publicado em 19/05/2017 às 5:44
Guga Matos/JC Imagem
Depois de ser vaiado pelo torcedor do Sport no empate em 1x1 contra o Bahia, quarta-feira, técnico leonino se vê pressionado no cargo - FOTO: Guga Matos/JC Imagem
Leitura:

O técnico Ney Franco está na corda bamba no comando do Sport. Vaiado em uníssono pelo torcedor rubro-negro no empate em 1x1 com o Bahia, na última quarta, no jogo de ida da final da Copa do Nordeste, o treinador tem seu cargo na Praça da Bandeira ameaçado. E os números dão razão ao desagrado da torcida. Nos nove últimos jogos à beira do gramado, Ney soma apenas uma vitória, no clássico com o Santa Cruz, dia 3 de maio, no Arruda, na volta das semifinais do Nordestão. Na ocasião, o Leão venceu por 2x0, com gols de Everton Felipe e André, carimbando vaga na grande final contra o Tricolor de Aço.

E o duelo decisivo com o Bahia pode ser crucial para o futuro de Ney Franco no Sport. Caso consiga o título na Arena Fonte Nova, o técnico deve remar num oceano de mais tranquilidade. No entanto, os leoninos não terão vida fácil contra o Tricolor de Aço. Para ser campeão, o rubro-negro precisa da vitória ou de um empate a partir de 2x2. Outro 1x1 leva a decisão para os pênaltis e um 0x0 favorece o time baiano.

Apesar da desconfiança do torcedor do Sport, Ney Franco parece ter o apoio do elenco leonino. Foi o que garantiu o prata da casa Juninho, autor do gol de empate contra o Bahia depois de sair do banco de reservas. “O Ney (Franco) é muito importante para o time. Nós jogadores temos que dar nosso máximo, conseguir as vitórias e fazer com que o técnico fique mais garantido no cargo. O grupo está junto com ele e a culpa não é só dele. É nossa também”, contou o camisa 37 rubro-negro.

NEY TEM TRANQUILIDADE

Apesar da turbulência, Ney Franco se diz tranquilo para continuar fazendo seu trabalho no Sport. “No futebol as coisas mudam muito. Essa mesma torcida que vaiou, vai nos aplaudir se a gente voltar com o título de Salvador na quarta-feira. Mas a gente sabe que não é desse jeito. Hoje os treinadores que perderam classificação são treinadores que são cobrados. Tem a questão psicológica também. Não tenho frescura por conta disso. O torcedor pagou ingresso e me cabe ter a tranquilidade para voltar para o CT amanha e fazer meu trabalho”, destacou o técnico leonino.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias