Sport

Milton Mendes procurou ajuda para melhorar relacionamento

Treinador teve alguns trabalhos marcados por desgaste

Thiago Wagner Thiago Wagner
Thiago Wagner
Thiago Wagner
Publicado em 10/10/2018 às 19:05
Guga Matos/JC Imagem
Treinador teve alguns trabalhos marcados por desgaste - FOTO: Guga Matos/JC Imagem
Leitura:

Apesar de ter um treinador capacitado a treinar times na Europa e da competência em armar equipes de maneira rápida, o técnico Milton Mendes é conhecido por passagens consideradas rápidas nos clubes por onde passa e por polêmicas com o elenco. Foi assim principalmente no Vasco, seu último clube no Brasil antes do Sport. Ciente disso, o agora comandante rubro-negro confessou que procurou ajuda para aprender a se relacionar melhor.

"Em todos os clubes que eu fui, fui campeão, mas estava acontecendo alguma coisa que não finalizava. E eu precisava saber o que estava acontecendo. Fiz algumas avaliações, contratei alguns profissionais que trabalharam comigo e eu tentei entender o que estava se passando, o que eu fiz que poderia ter errado ou até não. Até a Copa do Mundo, fiquei entendendo isso. E depois da Copa do Mundo eu busquei algumas coisas interessantes para trabalhar", disse Mendes para a rádio Transamérica do Recife.

Por conta desse trabalho, o treinador se acha mais maduro. "O Milton Mendes hoje é mais maduro, que consegue entender o contexto do futebol brasileiro, que os jogadores têm algumas especificidades interessantes, mas com o cuidado necessário. Na Europa, eles têm uma aceitação a uma cobrança mais acentuada. Mas aqui é diferente. Hoje eu sou um treinador mais paciente, mais preparado com as circunstâncias do próprio jogo. Eu detesto perder, mas tenho de aprender. E assim sendo, eu transmito aos atletas a tranquilidade que eles podem errar também", afirmou.

MORANDO NO CT

Além de ter procurado esse auxílio, Milton Mendes chega ao Sport com outras estratégias para fazer o time dar certo já neste ano. Uma delas é morar no centro de treinamento do clube. Algo que ele considera fundamental para manter o foco e ganhar tempo para os treinamentos.

"O CT é agradável, é um momento que a gente tem. De manhã, por exemplo, a gente sai pega trânsito, a noite também. É uma hora, ou uma hora e meia. Lá serve para que a gente possa ter três horas economizadas. Nada me tira do sério, mas não gosto de perder tempo. Não conhecia o CT antes. Me agradou muito, tanto que estou morando lá. As pessoas têm me dado muito carinho, e isso ajuda muito. No silêncio da noite a gente pode estar refletindo, vendo os jogos também na tranquilidade.", comentou o treinador no programa Fórum Esportivo, da Rádio Jornal.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias