Mercado

Moura Dubeux vai erguer 100 prédios em Jaboatão

Villa Natal vai ter apartamentos custando cerca de R$ 98 mil

Viviane Barros Lima
Viviane Barros Lima
Publicado em 03/05/2012 às 0:10
Divulgação
Villa Natal vai ter apartamentos custando cerca de R$ 98 mil - FOTO: Divulgação
Leitura:

Uma enorme área no bairro de Socorro, em Jaboatão dos Guararapes, vai ganhar um novo perfil. Um terreno, onde hoje estão inúmeras árvores, um lago e uma casa antiga, vai abrigar, dentro de mais ou menos seis anos, 100 prédios com apartamentos do Minha casa, Minha vida (MCMV).

A Moura Dubeux, em conjunto com a MRV Engenharia, quer emplacar um novo conceito de moraria popular com o Reserva Villa Natal, empreendimento que será divulgado durante o Feirão da Casa Própria, que começa amanhã e vai até domingo, no Centro de Convenções, em Olinda. O residencial ainda não está com a documentação completa, e durante o feirão, a empresa não vai vender as unidades, mas fará um cadastramento dos interessados.

O empreendimento deve ter sucesso por causa de um conjunto de fatores que o tornam atraente para os compradores. Duas das causas são condições básicas para o sucesso de um residencial popular: o preço e uma localização próxima de opções de transporte público.

“Quando vamos vender um apartamento para a classe A, os compradores pensam logo na localização e nas características especiais do projeto. Já no empreendimento popular, o que vale para o comprador é o preço. Esse é o primeiro quesito que ele olha na hora de decidir pela compra”, explica o gerente comercial da Moura Dubeux, Tony Vasconcelos.

Ele informa que o preço médio dos apartamentos vai ser de R$ 98 mil. A meta é conquistar um público que tem uma renda familiar variando de R$ 1.200 a R$ 2.500. “Para quem ganha até R$ 1.800, o subsídio do governo federal é de R$ 17 mil. Esse valor é descontado do preço. O desconto deixa o imóvel muito acessível”, diz.

A taxa de juros é de 4,5% ao ano mais a Taxa Referencial (TR). O prazo de pagamento é de 30 anos e o financiamento chega a 95% do valor do imóvel. Para quitar o restante, o trabalhador pode usar o dinheiro da sua conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

A taxa do MCMV para quem ganhar até R$ 3.100 não foi reduzida junto com as outras tarifas cobradas pela Caixa Econômica Federal, que caíram até 21%, na semana passada. A União acredita que as taxas do programa já estão muito baixas.

No quesito localização-transporte público, a empresa comprou um terreno de 37 hectares que fica bem próximo de duas estações de metrô: Floriano e Engenho Velho. Uma das vantagens usadas para convencer os futuros compradores é o fato de se gastar menos de meia hora entre o Centro do Recife e o empreendimento se o metrô for usado. De carro, o percurso duraria, no mínimo, o dobro do tempo. O projeto vai ser erguido na Avenida General Manoel Rabelo, continuação da Avenida José Rufino.

Os apartamentos são compactos, na linha do MCMV, e têm 43 metros quadrados. Vão contar com dois quartos, um banheiro, varanda, cozinha e área de serviço. As unidades terão uma vaga de garagem. Somente na primeira etapa do empreendimento são 400 apartamentos. Ao todo, são nove etapas com um número parecido de unidades.

Os prédios serão sempre com quatro pavimentos, sendo térreo e três andares. Cada piso pode ter 8, 10 ou 12 apartamentos. Cada etapa do empreendimento terá sua área de lazer com piscinas adulto e infantil, minicampo gramado, playground, salão de festas, redário, sala de ginástica fechada e uma área para exercícios ao ar livre, além de gazebo.

Todo o empreendimento vai ser contemplado por uma ciclovia que será construída ao lado da via de asfalto que dará acesso a todos os blocos. Logo na entrada do residencial, as construtoras vão disponibilizar um bloco de lotes comerciais que deve abrigar serviços como padaria, farmácia, mercadinho, cabeleireiro, posto de combustível, loja de conveniência, entre outros.

“O padrão do empreendimento está bem distante das construções populares das décadas passadas, como o Curado e Marcos Freire, por exemplo. Antes, a construção era desordenada e muita gente fez puxadinhos nos apartamentos ou então usou a garagem para montar um pequeno negócio. O Reserva Villa Natal tem o preço popular, mas o restante é de primeira linha. O acabamento é muito bom e a administração será feita por uma empresa competente”, explica Vasconcelos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias