NOSTALGIA

Blocos líricos encantam os foliões no Marco Zero

Quinze grupos de pau e corda encheram o Bairro do Recife de nostalgia

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 16/02/2015 às 23:03
Foto: Bobby Fabisak /  JC Imagem
Quinze grupos de pau e corda encheram o Bairro do Recife de nostalgia - FOTO: Foto: Bobby Fabisak / JC Imagem
Leitura:

A tarde e o começo da noite desta segunda-feira de Carnaval foram dos blocos líricos de pau e corda. Eram maioria no Bairro do Recife. Mas a diversidade era tanta no coração do Carnaval recifense que a cada rua o folião encontrou um grupo diferente, tocando um som idem. Teve ciranda na Avenida Rio Branco, com as Conxitas, frevo na Rua da Guia levado pela olindense Ceroula, maracatu na Marques de Olinda com o grupo Rugido do Leão, Reisado Imperial na Rua da Moeda.

“Gosto de vir ao Recife Antigo porque é tranquilo. Prefiro o dia que tem os blocos líricos, as fantasias são bonitas”, destacou a dona de casa Alcione de Lima, 57 anos, moradora de Jardim Atlântico, em Olinda. Para não perder nenhum grupo - foram 15 que se apresentaram no Marco Zero - ela ficou bem pertinho do palco, colada na grade que divide o espaço do público.

Cordas e Retalhos, um dos blocos que desfilou, homenageou o Teatro do Parque, fechado para reforma há mais de quatro anos e que completa um centenário em 2015. Perto de fazer também cem anos - são 95 este ano - o Bloco das Flores lembrou da escritora Clarice Lispector, que nasceu em 1920, mesmo ano de fundação da agremiação.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias