SAUDE

Caso raro, bebê nasce com dente em Ribeirão Preto-SP

A odontopediatra Alexandra Queiroz informou que esse caso não é comum, mas que também não é uma doença

Fábio Jardelino
Fábio Jardelino
Publicado em 09/05/2011 às 16:38
Leitura:

A autônoma Andréia Pires Jacinto Ladeia, de 33 anos, ficou surpresa ao descobrir que a filha Alana, nascida na noite do último dia 2, no Hospital Santa Lydia, em Ribeirão Preto (SP), já tinha um dente. A pediatra que acompanhou o parto disse, no dia seguinte, que havia uma inflamação na gengiva inferior do bebê, que em poucos dias sumiria, mas na quinta-feira a médica verificou que era um dente, um incisivo central inferior.

"Achei que era dente de leite, mas minha irmã e minha mãe viram que era mesmo um dente, e dois dentistas, de dois postos de saúde, confirmaram isso na sexta-feira", contou Andréia. O caso é considerado raro, mas normal.

Segundo Andréia, além de um dente já visível e grande, um segundo está forçando a gengiva para sair. Amanhã, a menina será avaliada pela odontopediatra Alexandra Queiroz, professora da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (USP). Outras consultas com dentistas deverão ocorrer nas próximas semanas.

A pequena Alana tem um irmão, Alef, de 16 anos, que começou a ter dentes a partir do quinto mês. Em geral, os dentes começam a surgir em bebês aos seis meses. Andréia disse que a amamentação não sofreu qualquer alteração, pois ela está intercalando a amamentação no peito com a mamadeira. "Por enquanto, o dente dela não está atrapalhando", afirmou Andréia.

A odontopediatra Alexandra Queiroz informou que esse caso não é comum, mas que também não é uma doença ou algo que preocuparia a mãe. "Existe um caso desses a cada 3 mil nascimentos, e é apenas a alteração da cronologia da erupção de um dente", comentou. O dente deveria surgir com seis meses e, por ter aparecido desde o nascimento de Alana, é chamado de dente natal. Se surgisse em até 30 dias, seria chamado de dente neonatal.

Andréia será informada sobre os cuidados a tomar, além de ser orientada a levar o bebê ao dentista periodicamente. A criança pode machucar a ponta da língua durante a amamentação e o bico do peito da mãe também pode ser ferido pelo dente.

"É preciso que a população saiba que, além do pediatra, o bebê deve passar por um odontopediatra ao nascer, para que a mãe saiba dos cuidados da higiene bucal, da prevenção contra cáries e o uso do flúor", destaca Alexandra.

Segundo ela, deve ser feita uma radiografia para verificar se o dente nascido é da série normal, o que significaria deixá-lo até cair. Se for um dente a mais, o que interferiria no surgimento da dentição normal (permanente), ele deverá ser extraído.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias