relações internacionais

Chávez se encontra nesta terça com Dilma, depois visita Equador e Cuba

Na visita a Brasília, Chávez e Dilma pretendem reafirmar que as relações entre Brasil e Venezuela, intensificadas no governo do ex-presidente Lula

Isabela Lemos
Isabela Lemos
Publicado em 09/05/2011 às 11:39
Leitura:

Brasília - Depois de uma visita à cidade Baruta, no estado de Miranda, na Venezuela, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, confirmou que começa nesta terça-feira (10) uma série de viagens aos países vizinhos. Chávez se reúne na terça (10) com a presidenta Dilma Rousseff, em Brasília e, em seguida, ele vai para o Equador e Cuba.

As informações são da estatal da Venezuela, a Agência Venezuelana de Notícias (AVN). Segundo a agência, as visitas do presidente serão transmitidas ao vivo em cadeia nacional de rádio e televisão.

Na visita a Brasília, Chávez e Dilma pretendem reafirmar que as relações entre Brasil e Venezuela, intensificadas no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deverão ser mantidas da mesma forma.

Também estará em pauta a questão da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. A Petrobras aguarda da estatal venezuelana PDVSA o repasse de cerca de R$ 400 milhões para a conclusão das obras. De acordo com o governo brasileiro, apenas a Petrobras investiu na refinaria.

Amanhã Dilma e Chávez deverão analisar de maneira detalhada quais acordos, dos já firmados por venezuelanos e brasileiros, estão pendentes. O objetivo é ampliar as parcerias nos setores de energia – principalmente porque a Venezuela passa por um momento de racionamento – e comercial. Apenas no ano passado, o intercâmbio comercial entre Brasil e Venezuela envolveu US$ 4,6 bilhões.

Depois dos resultados das eleições, confirmando a vitória de Dilma, Chávez postou uma mensagem na rede social Twitter destacando a competência da presidenta e sua confiança no novo governo. Segundo ele, Dilma era “sua candidata”.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias