Anac

Odebrecht entra com recurso contra resultado do leilão de Viracopos

Concessão do Aeroporto Internacional de Campinas foi arrematada por R$ 3.821.000.000 pelo consórcio Aeroportos Brasil, composto pela Triunfo Participações e Investimentos (45%), UTC Participações (45%) e Egis Airport Operation (10%)

Milton Raulino
Milton Raulino
Publicado em 07/03/2012 às 17:36
Leitura:

BRASÍLIA – O Consórcio Novas Rotas, liderado pela Odebrecht TransPort, segundo colocado no leilão do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), entrou com recurso na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) contra o resultado do certame, vencido pelo consórcio Aeroportos Brasil.

O leilão para concessão dos aeroportos de Brasília, Viracopos e Cumbica, em Guarulhos (SP), realizado na Bolsa de Valores de São Paulo em fevereiro, totalizou R$ 24, 5 bilhões de arrecadação para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Os aeroportos de Brasília e de Cumbica têm o maior fluxo de passageiros do país e o de Viracopos, o maior fluxo de cargas.

A concessão do Aeroporto Internacional de Viracopos foi arrematada por R$ 3.821.000.000 pelo consórcio Aeroportos Brasil, composto pela Triunfo Participações e Investimentos (45%), UTC Participações (45%) e Egis Airport Operation (10%).

De acordo com a Odebrecht, o recurso é um processo usual e está previsto no edital de licitação como uma decisão facultativa dos participantes do leilão. A empresa informou que não vai se pronunciar sobre os termos do recurso antes de a Comissão de Licitação da Anac julgá-lo.

Segundo o edital de licitação, as empresas que participaram do leilão podem recorrer do resultado do certame até o fim da tarde de quarta-feira (7). A publicação do julgamento dos pedidos está prevista para o dia 16 deste mês.

A concessão do aeroporto de Guarulhos foi arrematada por R$ 16,213 bilhões pelo consórcio Invepar – composto pelas empresas Invepar (Investimentos e Participações em Infraestrutura S.A) e Acsa, da África do Sul.  Já o aeroporto de Brasília foi arrematado por R$ 4.501.132.500, pelo consórcio Inframerica Aeroportos, composto pelas empresas Infravix Participações SA (50%) e Corporación America SA (50%).

Os prazos das concessões são diferenciados por aeroporto: 30 anos para Viracopos, 25 para Brasília e 20 para Guarulhos. Os contratos só poderão ser prorrogados uma vez, por cinco anos, como instrumento de recomposição do equilíbrio econômico-financeiro em caso de revisão extraordinária.

A partir da assinatura do contrato de concessão, haverá um período de transição de seis meses, prorrogável por mais seis, no qual a concessionária administrará o terminal em conjunto com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Após esse período, o novo controlador assume as operações do aeroporto. A gestão do espaço aéreo nos terminais concedidos não sofrerá mudanças e continuará sob o controle do Poder Público.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias