Meio Ambiente

Rio multa siderúrgica em R$ 10,5 milhões por poluição

Esta é a terceira vez que a empresa é autuada pelo mesmo crime ambiental

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 01/11/2012 às 12:28
Foto: Antonio Cruz/ABr
Esta é a terceira vez que a empresa é autuada pelo mesmo crime ambiental - Foto: Antonio Cruz/ABr
Leitura:

A Secretaria Estadual do Ambiente anunciou nesta quinta-feira (1º) a aplicação de multa de R$ 10,5 milhões a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), por mais uma ocorrência de chuva de prata, em Santa Cruz, zona oeste do Rio, na segunda-feira (29). A chuva de prata é formada por partículas liberadas na produção de ferro.

É a terceira vez que a empresa é autuada pelo mesmo crime ambiental. “A minha paciência com a CSA acabou”, disse o secretário Carlos Minc ao anunciar dados da fiscalização e o valor da autuação. “Não é a primeira vez que eles fazem esta lambança. Acenderam o segundo cartão amarelo. O próximo é suspensão”, completou o secretário, sinalizando que “pode embargar a companhia”.

Análises feitas pela secretaria comprovaram que, por falta de umidificação, ventos associados ao tempo seco espalharam pelos ares resíduos de escória - subprotudo da produção de ferro usado em pavimentação. Isso provocou a chamada nuvem de prata, que atingiu as localidades de Alvorada e São Fernando, onde vivem cerca de quatro mil pessoas.

Os resíduos provocam o agravamento de problemas respiratórios, dermatológicos e alérgicos, explicou a presidente do Instituto Estadual do Ambiente, Marilene Ramos. “É um pó fino que se deposita, entra na casa das pessoas, traz sujeira e as pessoas relatam problemas de pele e de respiração. É grave”, disse.

A CSA foi multada em R$ 4,6 milhões por poluir o entorno da siderúrgica com pó de prata por três vezes, por várias causas. A primeira multa foi aplicada em agosto de 2010 e a segunda, em janeiro de 2011. A companhia também foi obrigada a pagar um compensação de R$ 14 milhões. De acordo com o secretário Carlos Minc, o dinheiro de compensações é investido na construção de postos de saúde, controle de inundação e compensação de pescadores do entorno.

Procurados para comentar a decisão da Secretaria Estadual do Ambiente, representantes da companhia não responderam às ligações da reportagem.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias