economia

Para HSBC, é melhor investir no México que no Brasil

A instituição diz que a dívida mexicana parece mais atrativa atualmente

Da Agência Estado
Da Agência Estado
Publicado em 10/04/2013 às 16:57
Leitura:

 

Apesar de visualizar oportunidades no mercado acionário brasileiro, o banco britânico HSBC acredita que a dívida externa do Brasil não é uma boa opção de investimento na atualidade. A avaliação foi divulgada nesta quarta-feira em nova edição do relatório de investimento em mercados emergentes. A instituição diz que a dívida mexicana parece mais atrativa atualmente.

No documento, a instituição atribuiu "underweight" aos títulos da dívida externa brasileira em sua estratégia de investimento. "O Brasil continua com um mix de deterioração com o lento crescimento econômico e a inflação elevada. Nesse sentido, uma suavização adicional da política fiscal corre o risco de se tornar um fator para o enfraquecimento da qualidade de crédito", diz o banco, ao alertar que, em última instância, o quadro pode deteriorar a confiança dos estrangeiros na capacidade de pagamento do Brasil.

Em contraponto à situação brasileira, o documento relata que os títulos da dívida mexicana continuam baratos na comparação histórica e em relação a países semelhantes. Por isso, receberam "overweight". "A reforma do setor de telecomunicações reforçou nossa visão positiva sobre a dinâmica de outras reformas governamentais, como a fiscal e de energia, e consideramos o México um forte candidato para um upgrade de rating", descreve o relatório.

Ou seja, o HSBC sugere diminuir o investimento em títulos soberanos brasileiros, porque o País cresce pouco e tem inflação alta. Ainda adverte discretamente que o quadro poderia até a levar a uma piora da nota de avaliação de risco. Ao mesmo tempo, recomenda aumentar a exposição ao México, porque o governo executa reformas e melhora as condições estruturais da economia, o que coloca o país como candidato a um upgrade no rating soberano.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias