são paulo

Polícia ouve diretora do colégio de Marcelo Pesseghini

Para a investigação, Marcelo, de 13 anos, é o principal e único suspeito pelo assassinato de seus familiares

Da Agência Estado
Da Agência Estado
Publicado em 13/08/2013 às 16:53
Leitura:

Mais duas pessoas prestarão depoimento sobre as mortes do casal de PMs Luiz Marcelo e Andreia Pesseghini e de sua família. Na tarde desta terça-feira (13) o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) ouvirá a diretora do colégio onde o filho do casal, Marcelo Eduardo Pesseghini, estudava, além de um colega de turma do garoto.

Para a polícia, Marcelo, de 13 anos, é o principal e único suspeito pelo assassinato de seus pais, avó e tia-avó, encontrados mortos em casa na última segunda, dia 5. Segundo o delegado responsável pelas investigações, Itagiba Franco, as provas colhidas até o momento levam a crer que o garoto matou a família durante a madrugada, foi à escola pela manhã e, ao voltar para casa, cometeu suicídio.

Em nota divulgada dois dias após a chacina, a direção do colégio Stella Rodrigues classificou como "incompreensível" a acusação de Marcelo. No comunicado, a escola confirma que o garoto assistiu às aulas na segunda-feira e que "não apresentou qualquer tipo de comportamento anormal".

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, outras pessoas podem ser chamadas para depor ao longo do dia, conforme o andamento das investigações. Até as 15h30, os dois depoimentos eram os únicos confirmados. Ao menos 22 pessoas já foram ouvidas sobre o caso, entre elas professores e amigos do menino, familiares, vizinhos e colegas de trabalho do casal.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias