crítica

Para Dilma, ser chamada de 'durona' é preconceito

A presidente atribui o preconceito ao fato de ser mulher

Artur Portela
Artur Portela
Publicado em 06/11/2013 às 20:25
Foto: Agência Brasil
A presidente atribui o preconceito ao fato de ser mulher - Foto: Agência Brasil
Leitura:

A presidente Dilma Rousseff disse que é tratada com "um certo preconceito" desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2011, durante a entrevista aos veículos do Grupo RBS, nesta quarta-feira, 06, em Brasília. "Nunca ouvi ninguém falar que um presidente homem era duro, determinado, forte, exigente e bravo" comparou. "Em determinada época ouvi falar que estava cercada de homens meigos, eu era a mulher brava cercada de homens meigos". 

Enquanto explicava a opção por ser chamada de presidenta como "um reconhecimento ao feminino", Dilma admitiu "inclinação em algum aspecto" por indicar mulheres para determinados cargos porque considera que elas são "extremamente cuidadosas e detalhistas" e têm grande capacidade de lidar com diversas situações simultaneamente. Mas ressalvou que "homens têm extremas qualidades de gestão" e que "é possível equilibrar as coisas" colocando homens e mulheres nos cargos.


Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias