Indonésia

Funcionários indonésios terão de pagar para ter mais de uma esposa

Funcionários do maior país muçulmano do mundo já têm de obter uma autorização por escrito de seus superiores para poder se casar com uma segunda mulher

Da AFP
Da AFP
Publicado em 15/10/2014 às 12:37
Foto: AFP
Funcionários do maior país muçulmano do mundo já têm de obter uma autorização por escrito de seus superiores para poder se casar com uma segunda mulher - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Os funcionários públicos de uma região da Indonésia terão de pagar 80 dólares (65 euros) para ter mais de uma esposa, uma medida da administração local para lutar contra a poligamia.

Os funcionários do maior país muçulmano do mundo já têm de obter uma autorização por escrito de seus superiores para poder se casar com uma segunda mulher. Eles têm o direito de ter até quatro esposas, se houver consentimento por parte das mulheres, segundo as leis do Islã.

Mas em Lombok, uma ilha vizinha a Bali, os funcionários, além da autorização, devem pagar um milhão de rúpias (80 dólares, 65 euros) ao governo local, conforme a nova lei. Os interessados devem pagar esta quantia para cada novo casamento depois do primeiro. Trata-se de uma soma elevada em um país onde o salário mínimo é de 2,5 milhões de rúpias (200 dólares, 160 euros).

A poligamia é legal na Indonésia, mas é pouco comum neste país onde a população é de 90% de muçulmanos. ONGs de defesa dos direitos da mulher criticaram, no entanto, a nova lei, alegando que a poligamia se converteu numa fonte de rendas para o governo de Lombok, ao invés de proteger realmente as mulheres.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias