Acidente

Choque de trens deixa 69 feridos na Baixada Fluminense

Um trem parado na estação de Mesquita foi atingido por trás por outra composição que circulava no mesmo sentido

Da AFP
Da AFP
Publicado em 06/01/2015 às 8:14
Leitura:

A colisão de dois trens suburbanos em Mesquita, na Baixada Fluminense, deixou 69 pessoas feridas na noite desta segunda-feira, informaram as autoridades, precisando que não há casos graves.

A colisão ocorreu às 20H20 local, revelou a Supervia, concessionária responsável pelos trens suburbanos do Rio de Janeiro. 

Segundo Carlos Osório, secretário de Transportes do estado do Rio de Janeiro, um trem parado na estação de Mesquita foi atingido por trás por outra composição que circulava no mesmo sentido, da Central para Japeri.

Carlos Osório revelou que os feridos foram levados a hospitais da região e confirmou que não há casos graves.

O secretário de Transportes admitiu que "sem dúvida houve uma falha grave", o que motivará uma investigação rigorosa por parte da agência reguladora, além da Supervia.

"Nossa prioridade é averiguar rigorosamente as causas do acidente, identificar os problemas e encontrar os responsáveis".

Uma "peça-chave" para entender o que ocorreu será o maquinista, que saiu ileso do acidente e já foi ouvido pelas autoridades.

Carlos Osório afirmou que trem que bateu estava reformado e com a manutenção em dia, mas segundo passageiros, a composição já apresentava problemas, como lentidão e repetidas paradas. 

Segundo Daniel Ávila, um dos passageiros, o trem "ia a uns 20 quilômetros por hora" quando bateu. "Ainda bem que ia devagar, senão morria todo mundo".

Hélcio Ramalho, outro passageiro, revelou que "as pessoas ficaram muito nervosas e queriam sair, pularam (...). Vi uma pessoa no chão gemendo de dor".

O serviço da Supervia é geralmente criticado pelos usuários, que reclamam de composições superlotadas e, por vezes, sem ar-refrigerado.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias