ESTUPRO COLETIVO

Polícia voltará à casa na zona oeste do Rio onde jovem foi estuprada

A jovem vítima de estupro e sua família já foram encaminhadas pela Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos para o Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente

Lucas Moraes
Lucas Moraes
Publicado em 02/06/2016 às 14:55
Foto: Reprodução/TV Globo
A jovem vítima de estupro e sua família já foram encaminhadas pela Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos para o Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente - Foto: Reprodução/TV Globo
Leitura:

A titular da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima, Cristiana Bento, disse que a Polícia Civil vai voltar à casa no alto do Morro São José Operário, na Praça Seca, em Jacarepaguá, local onde ocorreu o estupro coletivo de uma jovem de 16 anos. O obejtivo é checar as informações prestadas pelos três suspeitos do crime presos até agora e que estão com a prisão temporária decretada pela Justiça.

A decisão da polícia de voltar à comunidade na zona oeste do Rio foi tomada a partir do depoimento de Raphael de Assis Duarte Belo, de 41 anos. A delegada Cristiana Bento informou que, devido à importância do três suspeitos para as investigações, eles ainda não serão transferidos para um presídio do estado.

Programa de proteção

A jovem vítima de estupro e sua família já foram encaminhadas pela Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos para o Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente. O programa é mantido com recursos do governo federal com contrapartida do governo do estado e é gerenciado por um conselho ligado ao Ministério da Justiça. Não há período previsto para a manutenção da família no programa. O prazo depende da avaliação dos profissionais de segurança e dos técnicos do programa, assim como do desejo da vítima em continuar sendo atendida.

Pelas regras do programa, nenhuma autoridade é informada da localização da vítima, que pode, inclusive, ter a identidade mudada. No período, ela receberá atendimento médico, psicológico e jurídico, e, na medida do possível, terá mantido o padrão de vida.

“Havia um risco potencial à segurança da jovem, por isso achamos providencial a sua entrada no programa de proteção. A ameaça de morte era real", disse o secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Paulo Melo.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias