briga

Briga por causa de som alto termina com dois mortos em Goiás

Um dos mortos na briga pelo som alto era um sargento da PM, atingido por tiros da própria arma

Diogo Menezes
Diogo Menezes
Publicado em 09/07/2016 às 21:20
Foto de arma atirando
Um dos mortos na briga pelo som alto era um sargento da PM, atingido por tiros da própria arma - FOTO: Foto de arma atirando
Leitura:

Uma briga por causa de som alto terminou na morte de duas pessoas, incluindo um policial militar, em Britânia, a 357 quilômetros de Goiânia, na noite de sexta-feira. Outras três pessoas ficaram feridas. Um dos mortos era um sargento da PM, atingido por tiros disparados de sua própria arma.

A polícia foi chamada para atender uma ocorrência de som alto, após uma partida de um campeonato de futebol amador. Ao chegar ao local, os dois policiais prenderam um homem, mas uma mulher - que seria casada com o detido – começou a hostilizar os PMs e, em seguida, empurrou um deles.

Com a confusão entre os quatro formada, surgiu um quinto homem, Ismael Pereira de Souza, que seria pai do detido. Ele retirou a arma do coldre do policial e atirou várias vezes, atingindo o policial pelas costas e outras pessoas que estavam na aglomeração que se formou.

O sargento Uires Alves da Silva foi socorrido, mas morreu. O outro policial, Hélio Bezerra Souza, foi atingido por um tiro no abdome. Ele reagiu e, na troca de tiros, atingiu Ismael, que morreu no local. Mais de 18 tiros foram disparados.

O policial ferido foi socorrido e passou por cirurgia em Goiânia. O homem que foi detido pela PM sofreu um tiro de raspão, assim como outra pessoa que estava no local.

Após os tiros, a aglomeração que se formou devido à discussão foi rapidamente desfeita e as pessoas se esconderam atrás de carros de convidados da festa ou se atiraram ao chão. Veículos estacionados no entorno também foram atingidos por tiros.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias