CRISE CARCERÁRIA

Guerra nos presídios afeta segurança nacional, afirma Temer

Segundo o presidente Temer, a questão era apenas local, mas começou a ultrapassar as fronteiras físicas e jurídicas dos Estados

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 19/01/2017 às 13:10
Foto: ANDRESSA ANHOLETE / AFP
Segundo o presidente Temer, a questão era apenas local, mas começou a ultrapassar as fronteiras físicas e jurídicas dos Estados - FOTO: Foto: ANDRESSA ANHOLETE / AFP
Leitura:

O presidente Michel Temer (PMDB) disse nesta quarta-feira (19) em Ribeirão Preto, que o caos no sistema prisional do País, com a guerra entre facções e mortes nos presídios, afeta a segurança nacional. É o que justifica, segundo ele, ter autorizado o uso do Exército para conter as rebeliões. "As Forças Armadas vão entrar porque aparentemente era uma questão local e começou a ultrapassar as fronteiras físicas e jurídicas dos Estados, o que acabou gerando, não vou exagerar, quase uma questão de segurança nacional."

Ele defendeu a legalidade da medida, que considerou "ousada", e reafirmou que os militares não terão contato com os presos. "Uma das funções das Forças Armadas é manter a lei e a ordem, e estava se estabelecendo desordem absoluta. Colocamos (as Forças Armadas) para fazer inspeção nos presídios. Elas não vão fiscalizar os presos, mas uma das coisas que mais agravam é a entrada de armas e celulares. É aí que eles vão agir." Segundo Temer, os militares devem iniciar as operações em dez dias.

Situação do Rio Grande do Sul

Ao se informado que os presos continuam fora de controle na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, na Grande Natal (RN), o presidente admitiu que a solução é de longo prazo. "A curto e médio prazos, destinamos R$ 150 milhões para bloquear os celulares e R$ 80 milhões para as revistas, mas depende a conexão com os Estados. Vamos fazer trinta presídios no País, mas amanhã ou depois não vai estar resolvido."

Últimas notícias