CRISE NAS PENITENCIÁRIAS

Rebelião no interior do Rio Grande do Norte termina com preso morto

Segundo a Polícia Militar, o tumulto foi motivado pela transferência de presos ligados ao Sindicato do Crime do RN da Penitenciária de Alcaçuz

JC Online e agências
JC Online e agências
Publicado em 19/01/2017 às 8:01
Foto: Reprodução/Blog Correio do Seridó
Segundo a Polícia Militar, o tumulto foi motivado pela transferência de presos ligados ao Sindicato do Crime do RN da Penitenciária de Alcaçuz - FOTO: Foto: Reprodução/Blog Correio do Seridó
Leitura:

Uma rebelião na Penitenciária Estadual do Seridó, em Caicó, no interior do Rio Grande do Norte, deixou um preso morto e sete feridos na noite dessa quarta-feira (18).  Segundo a Polícia Militar, o tumulto foi motivado pela transferência de presos ligados ao Sindicato do Crime do RN da Penitenciária de Alcaçuz durante a tarde da quarta-feira (18).

De acordo com o Batalhão de Polícia de Caicó, o motim aconteceu um apenas um pavilhão. Detentos queimaram colchões e chegaram a subir no telhado do presídio com faixas onde se lia o nome da facção Sindicato do Crime do RN, rival do Primeiro Comando da Capital (PCC). Na penitenciária, conhecida como "Pereirão", há dois presos ligados ao PCC. Ainda não se sabe se eles estão entre as vítimas.

Ao Estadão, o coronel Romualdo Borges, comandante da divisão de policiamento regional 2, que abrange Caicó, disse que a relação da confusão com a transferência de 220 homens mais cedo é clara. "Acredita-se que é uma represália, já que aqui só há detentos do Sindicato. Havia uns 90 e poucos do PCC, mas na última rebelião foram transferidos", disse.

Transferência de presos de Alcaçuz

Como parte da operação de transferência de detentos, homens do Batalhão de Choque entraram na Penitenciária Estadual de Alcaçuz às 14 horas dessa quarta-feira (18). A ação, que conta com o uso do helicóptero da corporação, ocorre quatro dias após o motim que deixou 26 mortos na unidade, no sábado passado.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias