VIOLÊNCIA

População permanece em casa na capital do Espírito Santo

Sem aulas e transporte público, poucas pessoas são vistas nas calçadas de Vitória. Assustadas com a violência, as famílias preferem se trancar em casa

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 08/02/2017 às 11:38
Foto: Governo do Espírito Santo
Sem aulas e transporte público, poucas pessoas são vistas nas calçadas de Vitória. Assustadas com a violência, as famílias preferem se trancar em casa - FOTO: Foto: Governo do Espírito Santo
Leitura:

No quinto dia de paralisação da Polícia Militar no Espírito Santo, o movimento ainda era pequeno nas ruas de Vitória na manhã desta quarta-feira (8). Com o transporte público e as aulas suspensos, poucas pessoas são vistas nas calçadas. Assustadas com a violência, as famílias preferem se trancar em suas casas.

O patrulhamento na capital capixaba, que desde a noite de segunda-feira (6), é feito por soldados do Exército, também é reduzido. O comércio na cidade vai sendo retomado aos poucos.

A reportagem percorreu cerca de oito quilômetros entre Vitória e Vila Velha por volta das 8h30 desta quarta-feira e avistou patrulhas do Exército apenas na Praia da Costa, na região próxima à residência oficial do governador, Paulo Hartung (sem partido). 

Força Nacional de Segurança chegou ao Espírito Santo na terça-feira

Agentes da Força Nacional de Segurança, que chegaram ao Espírito Santo nessa terça-feira (7) não foram vistos no trajeto.

Por meio de suas famílias, os PMs continuam tentando negociar com o governo a volta ao trabalho. Nesta quarta deve haver nova reunião entre as partes. O governo sustenta que não vai negociar enquanto os policiais não voltarem a seus postos. 

A categoria reivindica reajuste salarial e denuncia falta de pagamento de auxílio-alimentação, adicional noturno e por periculosidade, além de más condições da frota de veículos empregada no patrulhamento. Familiares de PMs seguem posicionados na frente de batalhões na Grande Vitória e em cidades do interior para impedir a saída dos PMs e de carros.

A sensação de insegurança é grande, e os cidadãos se dizem reféns dos criminosos. O número oficial de mortos supera 75 desde o início do movimento. Nas redes sociais, há relatos de vizinhos que contrataram segurança armada para seus prédios, como forma de afastar assaltantes.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias