MINAS GERAIS

Veja como estão locais atingidos dois anos após tragédia em Mariana

No dia 5 de novembro de 2015, o rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, pertencente à mineradora Samarco, causou destruição e 19 mortes

ABr e JC Online
ABr e JC Online
Publicado em 04/11/2017 às 20:19
José Cruz/Agência Brasil
FOTO: José Cruz/Agência Brasil
Leitura:

No dia 5 de novembro de 2015, o rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, pertencente à mineradora Samarco causou 19 mortes, além de contaminar a Bacia Hidrográfica do Rio Doce, destruir o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, e comprometer o abastecimento de água e a produção de alimentos em diversos municípios da região. Veja fotos dos locais atingidos pela lama dois anos após a tragédia:

José Cruz/Agência Brasil
Ruínas de Gesteira, no distrito de Barra Longa, dois anos após a tragédia - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Ruínas em Bento Rodrigues, distrito de Mariana - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Ruínas de Gesteira, no distrito de Barra Longa - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Ruínas em Bento Rodrigues, distrito de Mariana - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Laboratório restaura peças religiosas dos municípios atingidos pela lama da Barragem de Fundão - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Ruínas em Bento Rodrigues, distrito de Mariana - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
- José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
- José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Ruínas em Bento Rodrigues, distrito de Mariana, dois anos após a tragédia - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Ruínas em Bento Rodrigues, distrito de Mariana - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Ruínas de Gesteira, no distrito de Barra Longa - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Ruínas em Bento Rodrigues, distrito de Mariana - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Ruínas em Bento Rodrigues, distrito de Mariana - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Rio Gualaxo do Norte, dois anos após a tragédia do rompimento da Barragem de Fundão - José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Barragem de Fundão, operada pela mineradora Samarco, dois anos após a tragédia - José Cruz/Agência Brasil

Enquanto a imagem de destruição dos três distritos atingidos pelo rejeito da mineradora Samarco - Bento Rodrigues, Paracatu e Gesteira - permanece viva na memória e nas antigas comunidades soterradas dois anos depois da tragédia de 5 de novembro de 2015, ainda não é possível vislumbrar as novas vilas a serem construídas para abrigar as vítimas. Os desenhos urbanísticos estão em processo final de elaboração.

A vida dos atingidos pela lama da mineradora Samarco está suspensa, 730 dias depois do rompimento da Barragem de Fundão, ainda se espera pelo reassentamento, pela indenização, pelo rio límpido, cujas ações de reparo, complexas, enfrentam atrasos e obstáculos que desafiam os órgãos envolvidos.

Obras de novos distritos

A Fundação Renova, financiada pela Samarco e orientada por um comitê de órgãos públicos e sociedade civil, é responsável por reassentar os atingidos. Foi estabelecido um cronograma para reconstrução das vilas, que foram planejadas junto com as comunidades, para que tenham a mesma organização de vizinhança e espaços públicos. Mas o processo de licenciamento ambiental para construção ainda não foi pedido. O último terreno a ser adquirido, para abrigar os atingidos de Gesteira, ainda está em negociação.

“Eles cometeram uma série de erros nos projetos de reassentamento de Bento Rodrigues, atrasando todo o processo. Têm outros problemas em relação ao de Paracatu, que também está atrasado, tanto é que, neste momento, quase dois anos do desastre, deveriam estar sendo iniciadas as obras”, afirma o promotor do Ministério Público de Minas Gerais, Guilherme Meneghin. Ele já prepara um pedido judicial para que seja aplicada sanção caso as empresas não cumpram com o prazo de entrega.

Atingidos criticam projeto de reassentamento

Após dois anos da tragédia de Mariana, em Minas Gerais, atingidos e autoridades denunciam a demora na reconstrução das casas. Em coletiva de imprensa neste sábado (4), a Comissão de Atingidos da Barragem de Fundão e promotores do Ministério Público de Minas Gerais criticaram o projeto de reassentamento feito pela Fundação Renova, financiada pela empresa Samarco. Segundo eles, a proposta da companhia prevê a reconstrução dos imóveis em área de risco.

Na última quarta-feira, o Ministério Público entrou com uma nova ação para garantir o reassentamento e a participação dos atingidos nos projetos. Segundo o promotor do Ministério Público, Guilherme Meneghin, a empresa quer impor um modelo de casa e a reconstrução em áreas de risco.

Depressão e outros problemas de saúde

A espera e a mudança brusca de vida se tranformam em depressão nas comunidades. Algumas pessoas não viveram para testemunhar as mudanças. Seus parentes apontam a tristeza como o agente catalisador dos problemas de saúde. São os novos mortos da tragédia de Mariana.

Enquanto faz arroz na cozinha da casa alugada e mobiliada pela mineradora Samarco, na sede do município de Mariana, em Minas Gerais, Leonídia Gonçalves, de 46 anos, lembra que um dos maiores prazeres do pai, de 67 anos, Alexandre, era tocar moda de viola e jogar baralho todas as noites, no bar de Paracatu de Baixo. As filhas dela, gêmeas, brincavam na rua quando queriam. Todos moravam lado a lado, já que, ao se casar, Leonídia construiu sua casa no terreno do pai. Agora, essa é uma lembrança que não se repetirá nem mesmo quando a família for reassentada na nova Paracatu, que deve ser construída como reparação. Alexandre morreu em março deste ano, de infarto.

A agricultora tem a convicção, no entanto, de que a causa verdadeira da morte é a depressão. Seu pai foi diagnosticado e chegou a tomar medicamento para tentar reverter a doença. “A gente era feliz. Tinha de tudo. Hoje, tá todo mundo distante. Lá era todo mundo família, era um na casa do outro, à noite a gente ficava na rua, não tinha perigo de nada. E chegando à cidade agora, a gente se assusta,”, relata, ao falar sobre a mudança de hábitos do meio rural para o urbano.

Embora a Comissão de Atingidos da Barragem de Fundão não tenha um levantamento de todas as vítimas, o caso de depressão e morte pós-desastre de Alexandre Gonçalves não é o único. Quando a Agência Brasil pediu para se lembrarem de histórias semelhantes, citaram pessoas - sobretudo idosos - que morreram nos últimos dois anos, normalmente depois de sintomas que os levam a acreditar que a causa foi a tristeza.

Últimas notícias