RIO DE JANEIRO

Após saída de tropas, tráfico refaz barricadas na zona oeste do Rio

As barricadas são feitas com entulhos para que policiais não consigam entrar com carros nas comunidades

Julia Aguilera
Julia Aguilera
Publicado em 05/03/2018 às 12:47
Foto: AFP
As barricadas são feitas com entulhos para que policiais não consigam entrar com carros nas comunidades - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Moradores da Vila Kennedy, favela da zona oeste do Rio, relataram neste domingo (4) que as barricadas do tráfico de drogas retiradas pelas Forças Armadas, numa operação que durou todo o sábado, já estavam de volta nas ruas cinco horas depois. Esses obstáculos, que vão de sofás velhos a trilhos de trem, são colocados para que o local fique inacessível a agentes de segurança.

"O poder público está sendo ridicularizado pelos traficantes. Eles trouxeram 1,4 mil homens e retiraram 16 barricadas. À noite, três ou quatro viciados que trabalham para o tráfico colocaram de volta", lamentou um morador.

No sábado, os militares foram embora por volta das 17 horas, contaram os moradores. Às 22 horas, os bandidos já estavam recolocando as barricadas. Para remover os bloqueios mais pesados militares vêm usando retroescavadeiras.

Moradores ouvidos relatam desânimo. Eles apoiam a intervenção na segurança, mas agora creem que não terá efeito a longo prazo. "Está ridículo. O fato de os traficantes recolocarem no lugar mostra a fragilidade e o despreparo da Forças Armadas", disse um deles.

No sábado, os militares também revistaram 720 pessoas e 617 veículos. Foram apreendidos 12 cartuchos de pistola 9mm, 10 carros e 6 motos. Cinco pessoas foram presas. Segundo moradores, os traficantes já sabiam da chegada das equipes e fugiram antes.

Providências

O Comando Conjunto de Operações, das Forças Armadas, disse que as informações estão sendo analisadas pelo setor inteligência e "serão utilizadas no planejamento de medidas apropriadas". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias