tumulto

Guardas se envolvem em briga com grupo de evangélicos no RJ após acusação de pichação

Tudo começou após um grupo evangélico ter sido acusado de realizar pichação nos muros do Parque Garota de Ipanema, no Arpoador

JC Online JC Online
JC Online
JC Online
Publicado em 26/04/2018 às 8:21
Foto: reprodução/internet
Tudo começou após um grupo evangélico ter sido acusado de realizar pichação nos muros do Parque Garota de Ipanema, no Arpoador - FOTO: Foto: reprodução/internet
Leitura:

Após um tumulto na madrugada desta quinta-feira (26), envolvendo guardas municipais e membros de uma igreja evangélica em Copacabana, Zona Sul do Rio Janeiro, ao menos 11 pessoas ficaram feridas e precisaram de atendimento médico. Tudo começou após um grupo evangélico ter sido acusado de realizar pichação nos muros do Parque Garota de Ipanema, no Arpoador, depois de culto na igreja, no Santo Cristo, Zona Portuária do Rio.

Em imagens que circulam pela internet, mostra a briga que teria a participação de 70 pessoas e que acabou com um dos membros da igreja, identificado como Jorge Alves de Souza, de 60 anos, sendo gravemente ferido.

Depoimento

Em entrevista para a TV Globo, o pastor Tupirani da Hora Loures, líder da igreja, uma das pessoas envolvidas no tumulto, comentou que não houve qualquer tipo de reação. "Quando o pessoal estava na porta da delegacia aguardando o desfecho do depoimento um guarda se lançou sobre o pessoal", contou. "Outros guardas vieram e começou uma pancadaria", acrescentou.

Em nota, a Guarda Municipal do Rio reafirmou o flagrante de pichação. "A GM já está apurando a ação em Copacabana envolvendo o Grupamento Especial de Praia e um grupo de evangélicos, que foi flagrado pichando o Parque Garota de Ipanema. Diego Luiz Ribeiro de Figueiredo foi autuado em crime ambiental na 12ª DP. Na delegacia, um grupo de cerca de 40 pessoas questionou a prisão e a ação da Guarda Municipal, e houve confusão. No final de semana, o mesmo grupo já havia sido flagrado com sprays e chegou a fazer uma inscrição na parede. A instituição vai apurar com rigor a postura dos guardas flagrada no vídeo, que não condiz de forma alguma com os preceitos, orientação e os procedimentos operacionais da instituição."

Últimas notícias