TRAGÉDIA

Homem abre fogo e deixa mortos em catedral de Campinas

As vítimas estavam rezando na catedral, em São Paulo, quando foram surpreendidas pelos disparos

Estadão Conteúdo e JC Online
Estadão Conteúdo e JC Online
Publicado em 11/12/2018 às 13:32
Foto: Ari FERREIRA / AFP
FOTO: Foto: Ari FERREIRA / AFP
Leitura:

Um homem entrou na Catedral Metropolitana de Campinas, no centro da cidade, na tarde desta terça-feira (11), e atirou em oito pessoas que estavam rezando no local. Quatro pessoas foram mortas, sendo três homens e uma mulher. Segundo a polícia, agentes entraram na igreja e dispararam contra o atirador, identificado como Euler Fernando Grandolpho, 49 anos. Ele, então, teria caído no chão e se matado em seguida.

A catedral fica na região central de Campinas, e houve corre-corre na hora do ataque, principalmente na rua 13 de Maio, uma das mais movimentadas do comércio local. Para a polícia, a ação foi premeditada. "Ele não chegou atirando. Ele estava sentado, parado e quando se levantou começou a atirar nas pessoas", disse o delegado Hamilton Caviola Filho, do 1º DP de Campinas, responsável pelo policiamento na região.

Houve uma missa na catedral às 12h15. Segundo Caviola, as imagens das câmeras de monitoramento da igreja mostram o homem sentando nos fundos e analisando o ambiente. Depois de algum tempo, ele se levanta e passou a disparar contra os fiéis que estavam na catedral com uma pistola calibre .40mm e um revólver calibre .38mm. O atirador, que estava sem documentos, tinha ainda dois carregadores.

As vítimas, diz Caviola, são três homens e uma mulher, cujas identidades não haviam sido divulgadas até as 16 horas desta terça. O delegado informou que haverá um trabalho de perícia técnica dentro da igreja. Depois, os corpos serão liberados ao Instituto Médico Legal (IML) de Campinas, para identificação dos que não tiverem documentos.

Segundo o delegado, dois policiais militares que estavam do lado de fora da igreja ouviram os disparos e correram para a igreja. Um deles acertou um tiro na perna do atirador, que se matou em seguida. 

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) socorreu os feridos para hospitais de Campinas. Uma mulher levada ao Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (HC-Unicamp) foi atingida nas pernas e tem quadro estável. Segundo o hospital, ela deverá ter alta ainda nesta terça-feira. Outros dois feridos estão no Hospital Municipal Mário Gatti e um terceiro foi internado no hospital Beneficência Portuguesa de Campinas.

Em nota, a Arquidiocese de Campinas informou que a catedral segue fechada e que motivação do crime ainda é desconhecida. "Assim que dispusermos de mais informações, as disponibilizaremos. Contamos com as orações de todos neste momento de profunda dor."

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) socorreu os feridos para hospitais de Campinas. Uma mulher levada ao Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (HC-Unicamp) foi atingida nas pernas e tem quadro estável. Segundo o hospital, ela deverá ter alta ainda nesta terça-feira. Outros dois feridos estão no Hospital Municipal Mário Gatti e um terceiro foi internado no hospital Beneficência Portuguesa de Campinas.

Vídeo mostra ação do atirador

A ação do atirador dentro da catedral foi registrada por câmeras de segurança. Nas imagens, é possível ver os fiéis correndo enquanto o homem se movimenta pela igreja efetuando disparos de arma de fogo.

Testemunhas ouviram vários disparos

A gerente de uma loja de alianças que fica perto da catedral ouviu o barulho dos disparos e se assustou. "Ouvimos muitos tiros, mais de 20. Ouvi, mas não estava entendendo. Só fui entender quando as pessoas entraram correndo e gritando dentro da loja", disse Patrícia Silvério, de 40 anos.

"Vi um senhor, todo ensanguentado, correndo, até que uma ambulância o segurou." Segundo ela, várias lojas das redondezas fecharam as portas e uma faixa amarela faz o isolamento do local.

Pedro Rodrigues estava dentro da Catedral e viu quando o atirador entrou na igreja e fez os disparos. "Era hora do almoço e fazia uns 5 minutos que a missa tinha acabado. Ele chegou com a arma em punho e saiu atirando. Sempre pensei que a igreja era um lugar seguro", disse Rodrigues.

Na hora dos disparos a polícia estava mobilizada para um roubo a banco no centro de Campinas. Várias viaturas foram mobilizadas pela polícia para cercar a região.

Foto: Ari FERREIRA / AFP
- Foto: Ari FERREIRA / AFP
Foto: Ari FERREIRA / AFP
- Foto: Ari FERREIRA / AFP
Foto: Ari FERREIRA / AFP
- Foto: Ari FERREIRA / AFP
Foto: Ari FERREIRA / AFP
- Foto: Ari FERREIRA / AFP

Padre pede orações

O padre Amauri Thomazzi, que terminava de celebrar uma missa no momento em que um homem começou a atirar contra fiéis na Catedral de Campinas, publicou um vídeo em seu perfil no Facebook, pedindo orações para as vítimas do ataque e também para o atirador.

Bastante abalado e ainda dentro da igreja, o religioso narrou o ataque, destacando que ninguém conseguiu fazer nada para deter o atirador.

"Eu rezei a missa de 12h15. No final, uma pessoa entrou atirando e fez algumas vítimas. Ninguém pôde fazer nada, ajudar de forma nenhuma. Não tem como entrar ou sair da catedral no momento. Peço apenas que rezem pela pessoa, ele se matou depois da situação. Foram mais de vinte tiros aqui dentro. Rezemos por ele e por aqueles que foram feridos, tem também algumas vítimas fatais. Peçamos a nossa senhora imaculada que interceda por nossa catedral e por essas pessoas e famílias", disse.

Repercussão internacional

O ataque em Campinas repercutiu na imprensa internacional.

O portal de notícias da BBC publicou uma matéria com o título “Brazil shooting: Five dead as gunman opens fire in cathedral” (Tiroteio no Brasil: cinco mortos após atirador abrir fogo em catedral”.

O The New York Times publicou “Gunman Open Fire in Brazil Cathedral, Kill at Least 4” (Atirador abre fogo em catedral no Brasil, mata pelo menos quatro). A agência norte-americana Reuters, ao repercutir o caso, comentou sobre os 64.000 homicídios ocorridos no ano de 2017 no Brasil, número maior do que qualquer outro país segundo as Nações Unidas.

O tabloide britânico Daily Mail afirmou que “cinco pessoas inocentes foram mortas, com mais pelo menos quatro feridos” no tiroteio. O veículo também comentou o alto número de homicídios no Brasil, mas que tiroteios em massa, como o da catedral, são raros.

O espanhol El Pais destacou que o atirador chegou ao local "em plena missa de meio dia", disparando cerca de 20 tiros. O veículo também assinalou que as vítimas foram pessoas que estavam mais próximas da porta, nas fileiras finais da igreja.

Atirador identificado

O atirador que matou quatro pessoas e cometeu suicídio na Catedral de Campinas, em São Paulo, foi identificado horas após o ataque, nesta terça-feira (11). De acordo com a polícia, trata-se de Euler Fernando Grandolpho, 49 anos. Ele seria um analista de sistemas sem antecedentes criminais e com endereço na cidade de Valinhos, em Minas Gerais.

Últimas notícias