DILIGÊNCIAS

Defesa de João de Deus nega saque e mostra extrato com R$ 34,2 mi no banco

De acordo com o advogado Alberto Toron, o médium não movimentou suas contas bancárias antes da prisão, como havia sido divulgado pelo Ministério Público de Goiás

Rute Arruda
Rute Arruda
Publicado em 19/12/2018 às 20:21
Foto: Arquivo/ Agência Brasil
De acordo com o advogado Alberto Toron, o médium não movimentou suas contas bancárias antes da prisão, como havia sido divulgado pelo Ministério Público de Goiás - Foto: Arquivo/ Agência Brasil
Leitura:

O advogado Alberto Toron, responsável pela defesa do médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, disse ter feito, nesta quarta-feira (19) uma diligência na conta pessoal do líder religioso e afirmou que ele não movimentou suas contas bancárias antes da prisão, como havia sido divulgado pelo Ministério Público de Goiás. Toron exibiu extrato bancário que mostra um montante de R$ 34,2 milhões depositados em investimentos.

"Em diligência realizada na data de hoje na agência 9664 do Banco Itaú em Anápolis/GO, a defesa obteve a informação de que não houve qualquer movimentação ou resgate de R$ 35 milhões da conta bancária de João de Deus, conforme alardeado pelo Ministério Público em seu pedido de prisão. O saldo total de sua carteira de investimentos, na data de hoje, é de R$ 34.281 815,06, conforme documento anexo, encaminhado pela gerente a pedido da defesa e obtido mediante procuração de João de Deus", divulgou Toron.

Os extratos divulgados pelo defensor mostram que João de Deus, cliente "personnalité" do banco Itaú, tem mais de R$ 9,5 milhões investidos em ativos com juros pós-fixados, R$ 19,9 milhões em juros prefixados, R$ 4,6 milhões em fundos multimercados e R$ 67 mil em aplicações vinculadas à inflação.

Habeas corpus

A preocupação da defesa em divulgar os montantes têm relação com a decisão do Superior Tribunal de Justiça de negar pedido de habeas corpus para o médium, na tarde desta quarta-feira. Ao negar a soltura de João de Deus, o magistrado Nefi Cordeiro lembrou justamente das movimentações financeiras do médium, às vésperas da prisão.

O pedido de habeas corpus já havia sido rejeitado pela Justiça de Goiás, nessa terça-feira (18), mas a defesa decidiu recorrer junto ao STJ, que seguiu o mesmo entendimento. João de Deus está preso no Complexo Penitenciário de Aparecida de Goiânia desde o último domingo (16). Ele é acusado de abuso sexual e deve ser indiciado pela Polícia de Goiás pelo crime de violência sexual mediante fraude até esta sexta-feira (21).

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias