ORIENTE MÉDIO

Governo palestino sofre dificuldades com interrupção de repasse

O premiê palestino Salam Fayyad disse que, com o confisco de milhões de dólares em impostos por parte de Israel, 160 mil funcionários públicos estão sem receber na Cisjordânia

Clóvis Andrade
Clóvis Andrade
Publicado em 09/05/2011 às 16:43
Leitura:

RAMALLAH - O primeiro-ministro palestino Salam Fayyad disse que o fato de Israel ter confiscado milhões de dólares em impostos fez com que o governo na Cisjordânia não tenha capacidade para pagar os salários de 160 mil funcionários públicos. Segundo Fayyad, seu governo está "numa situação financeira muito difícil".

Atitude israelense é retaliação por acordo firmado entre Fatah e Hamas

Israel recolhe cerca de US$ 100 milhões em impostos aduaneiros e de outros tipos que são repassados para os palestinos a cada mês. O restante dos recursos da administração palestina vem de impostos locais e ajuda do Ocidente. Neste mês, Israel disse que reteria os fundos em protesto pelo acordo de reconciliação entre o Fatah, que governa a Cisjordânia, e o Hamas, que controla a Faixa de Gaza. Israel considera o Hamas um grupo terrorista.

Em coletiva de imprensa realizada na Cisjordânia, Fayyad declarou que os salários dos funcionários deveriam ter sido pagos na semana passada.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias