SEGURANÇA

Repressão a protestos deixa três mortos no Iêmen

O Iêmen enfrenta há quase três meses protestos exigindo a saída de Saleh

Isabela Lemos
Isabela Lemos
Publicado em 09/05/2011 às 10:51
Foto: Rodrigo Lôbo/JC Imagem
FOTO: Foto: Rodrigo Lôbo/JC Imagem
Leitura:

Forças de segurança do Iêmen dispararam nesta segunda (9) contra manifestantes e lançaram granadas propelidas por foguete contra um prédio de escritórios, em meio a repressão a um protesto na cidade de Taiz, no sul do país. Três pessoas morreram, segundo testemunhas e médicos. Os ataques ocorreram um dia após manifestantes realizarem um novo ato em uma das principais vias da cidade e em meio ao aumento no país da tensão entre o contestado presidente Ali Abdullah Saleh e manifestantes que exigem sua saída.

As forças de segurança abriram fogo contra manifestantes e usaram jatos d'água e gás lacrimogêneo para dispersá-los, disseram testemunhas. O médico Sadeq al-Shujah afirmou que três manifestantes foram mortos e dezenas ficaram feridos, entre eles seis em estado grave.

As forças de segurança também perseguiram as pessoas que se escondiam em ruas laterais e prédios. Elas lançaram granadas propelidas por foguete contra um prédio de escritórios onde estariam manifestantes escondidos, disse o ativista Nouh al-Wafi. A explosão iniciou um incêndio, mas não há registros sobre mortes nesse local.

O Iêmen enfrenta há quase três meses protestos exigindo a saída de Saleh. No poder há mais de três décadas, Saleh intensificou a repressão aos protestos e recusou uma oferta de mediação regional. Mais de 140 pessoas morreram na repressão oficial aos protestos.

O acordo para Saleh renunciar, negociado pelo Conselho para a Cooperação do Golfo, parecia perto do sucesso há uma semana. O presidente, porém, recuou, dizendo que não assinaria o texto. O impasse ameaça piorar o quadro atual de instabilidade no Iêmen.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias