BOLÍVIA

Menino de 10 anos viaja mil quilômetros em busca da mãe

O garoto Franklin Villca Huanaco, que morava em Oruro, na Bolívia, viajou escondido dentro de um caminhão na esperança de encontrar a mãe, mantida em uma prisão em Cochabamba, mas acabou no Chile

Clóvis Andrade
Clóvis Andrade
Publicado em 12/05/2011 às 17:15
Fabiana Moraes/Divulgação
FOTO: Fabiana Moraes/Divulgação
Leitura:

LA PAZ - Um garoto boliviano de 10 anos fugiu de casa, em Oruro, e viajou por mil quilômetros escondido em uma caixa metálica em busca de sua mãe. Por engano, porém, ele acabou no Chile, onde está sob proteção de uma família, informou ontem o Serviço Nacional de Menores (Sename) de Tarapacá, no norte chileno.

Franklin Villca Huanaco esperava encontrar sua mãe, Zenobia Huanaco, em Cochabamba, onde ela cumpria sentença de três anos de prisão por transportar produtos químicos usados na fabricação de cocaína. No entanto, o garoto acabou se escondendo em um caminhão que seguiu para Iquique, no norte do Chile, e viajou mil quilômetros, sem que o motorista percebesse, dentro de uma caixa metálica que fica entre as rodas.

O garoto recebeu abrigo de uma família de Tarapacá, no norte chileno


Mesmo que estivesse no caminho correto, o garoto não encontraria a mãe, já que ela saiu da prisão há um mês e foi trabalhar no campo.

Queria ver sempre minha mamãe

, disse o jovem, em declarações à televisão estatal chilena.


Ele contou que viajou escondido por dois dias, sem água nem comida.

A criança foi encontrada vagando pelas ruas de um bairro pobre de Alto Hospicio por Margarita Valencia, que o levou para a casa dela. Um Tribunal de Família determinou que Franklin seguirá com a família de Margarita, "onde permanece em muito boas condições e foi excelentemente acolhido por seus integrantes". O Serviço Nacional de Menores também oferecerá uma atenção diária especial ao jovem, com profissionais especializados.

A chancelaria da Bolívia informou que solicitou informações a seu cônsul no Chile sobre o caso. Zenobia deve entregar documentos comprovando que é a mãe do menino. A mulher explicou que tem uma ordem judicial que a impede de ir pessoalmente ao Chile, mas disse que dará uma procuração a uma funcionária para ela trazer seu filho.

"Nunca me separei de meu filho até que entrei na prisão", disse. Ela vive separada do esposo, mas disse que o garoto havia contado antes que vivia bem com o pai. À polícia, ele reclamou que era maltratado em Oruro por seu irmão de 14 anos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias