desentendimento

Uribe diz que Lula "tremia" diante de Chávez

Ex-presidente da Colômbia também acusou Lula de ser "mau perdedor" porque a Colômbia venceu o Brasil na disputa pela presidência do BID

Emídia Felipe
Emídia Felipe
Publicado em 04/08/2011 às 22:34
Leitura:

BOGOTÁ - O ex-presidente da Colômbia Álvaro Uribe criticou duramente nesta quinta-feira (4) Luiz Inácio Lula da Silva, após o líder brasileiro revelar em Bogotá que não confiava no seu homólogo colombiano. "Lula hoje nos maltrata, mas no governo fingia ser nosso melhor amigo", escreveu Uribe em sua conta no Twitter. "Lula criticava Chávez [presidente da Venezuela] quando estava ausente, mas tremia na sua presença".

Uribe também acusou Lula de ser "mau perdedor" porque a Colômbia venceu o Brasil na disputa pela presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), e destacou que o então presidente brasileiro foi "incapaz de declarar terroristas os narcotraficantes das Farc", em referência à posição do Brasil diante da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

O ex-presidente colombiano lembrou que "Lula foi incapaz de extraditar o padre Camilo, terrorista refugiado no Brasil" e que segundo Bogotá era o representante das Farc no território brasileiro.

Uribe afirmou ainda que o ex-presidente brasileiro impediu a transmissão pela TV de um debate ocorrido na Cúpula das Nações Sul-Americanas (Unasul), em Bariloche (Argentina), sobre o acordo de cooperação entre Colômbia e Estados Unidos para combater o narcotráfico.

"Lula hoje confessa sua desconfiança, mas os investidores do Brasil tiveram toda a confiança".

Ao inaugurar em Bogotá um foro de investimentos entre Brasil e Colômbia, Lula disse que espera que o presidente Juan Manuel Santos e a presidente Dilma Rousef "possam fazer muitíssimo mais do que realizaram o presidente Uribe e eu, porque também tínhamos uma boa relação, mas não confiávamos um no outro".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias