TRÁFICO

México detém 18 policiais suspeitos de corrupção

Eles apareciam na lista de pagamentos de Los Zetas, dos quais cada um recebia uma soma mensal entre 2 mil e 10 mil pesos (entre US$ 143,6 e US$ 718)

Fábio Jardelino
Fábio Jardelino
Publicado em 04/10/2011 às 15:48
Leitura:

A Marinha do México deteve 18 policiais de vários municípios do Estado de Veracruz, no leste do país, por supostamente protegerem as atividades criminosas do cartel Los Zetas e receberem propinas. A Marinha mexicana informou nesta terça-feira (4) que os policiais são de cinco municípios diferentes e alguns são chefes. Eles apareciam na lista de pagamentos de Los Zetas, dos quais cada um recebia uma soma mensal entre 2 mil e 10 mil pesos (entre US$ 143,6 e US$ 718).

Em outra ação, também em Veracruz, a Marinha mexicana capturou 14 pessoas, incluídos 9 supostos réus foragidos em 19 de setembro de uma penitenciária estadual. As detenções ocorreram entre 30 de setembro e 3 de outubro.

Veracruz, no Golfo do México, é um Estado que nos últimos meses sentiu uma escalada da violência ligada aos cartéis do narcotráfico. Em 20 de setembro, homens armados jogaram 35 cadáveres, incluídos 12 de mulheres e 2 de crianças, debaixo de uma ponte e numa das principais avenidas de acesso ao porto de Veracruz, perto do shopping center de Boca del Rio.

Junto aos corpos foram deixados avisos nos quais se sugeriu que os mortos eram do cartel Los Zetas. No caso de corrupção, a Marinha informou que inicialmente foi detido o policial Victor Osorio Santacruz, de apelido "El Pantera" que era o comandante da polícia do município de Ciudad Mendoza. Supostamente, ele vigiava as movimentações dos policiais federais e avisava bandidos de Los Zetas. Com "El Pantera" a Marinha encontrou envelopes com somas em dinheiro e listas com os nomes dos policiais de vários municípios.

As informações são da Associated Press.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias