Bolívia // Evo Morales

Morales diz que Bolívia bate recorde de combate a plantações ilegais de coca

Em setembro, o presidente defendeu o incentivo ao plantio legal de coca no país como meio de evitar o crescimento das culturas ilícitas

Aline Souza
Aline Souza
Publicado em 01/11/2011 às 10:52
Leitura:

BRASÍLIA - O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse que em 2011 o país “bateu o recorde” na erradicação de coca. Segundo ele, o orgulho aumenta mais ainda porque não houve trocas de tiros nem violência nas operações. Morales acrescentou ainda que as plantações de coca erradicadas equivalem a mais de 8 mil hectares de terra, nas áreas de El Chapare, Cochabamba e Yungas de La Paz.

A meta, de acordo com Morales, é chegar a 10 mil hectares até o final de dezembro. O presidente disse ainda que a erradicação dos pés de coca ilegais foi possível por causa dos acordos com os produtores rurais. "[Conseguimos isso] sem disparar um tiro, mortes nem lesões”, disse.

Morales disse também que no seu governo o combate ao narcotráfico está entre as prioridades. Segundo ele, não se deve confundir o plantio ilegal de coca com a tradição de mascar a folha da planta, o que ocorre entre os indígenas bolivianos.

Em setembro, o presidente defendeu o incentivo ao plantio legal de coca no país como meio de evitar o crescimento das culturas ilícitas. Na Bolívia, os povos indígenas por questões culturais têm o hábito de mastigar a folha da coca. Segundo eles, é uma maneira de manter o equilíbrio do organismo e sentir menos os efeitos da altitude.

Morales reiterou ainda que, pelas leis bolivianas, a erva deve ser plantada em um espaço máximo de 1,6 mil metros quadrados e que os que contrariam a lei são punidos. No começo deste ano, houve várias manifestações em todo país, lideradas por organizações de defesa do plantio legal de coca, para a legalização do cultivo da erva. Morales disse que vai manter os esforços para evitar a criminalização internacional da coca.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias