armas nucleares

Ahmadinejad diz que relatório que informa sobre produção de armas no Irã é político

Segundo o presidente, o governo dos Estados Unidos planeja destruir o Irã

Aline Souza
Aline Souza
Publicado em 13/12/2011 às 9:25
Leitura:

BRASÍLIA - O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse netsa terça-feira (13) que o relatório, elaborado pela Agência Internacional de Energia (Aiea), informando sobre a produção de armas nucleares no país tem caráter político. "É um relatório muito político, sem prova ou indício, estão sempre nos acusando e já dissemos várias vezes que não necessitamos de bombas atômicas. Eles mesmos [Estados Unidos] têm bombas atômicas e as utilizaram várias vezes contra o resto da humanidade", disse ele.

Em seguida, Ahmadinejad acrescentou que: “[O relatório] não tem valor jurídico é uma justificativa para mais pressão sobre o Irã e acusou a União Europeia e os Estados Unidos de se oporem a qualquer governo e povo independente”.

Segundo o presidente, o governo dos Estados Unidos planeja destruir o Irã. Porém, ele desafiou os norte-americanos:  "[Duvido] que exista alguma pessoa que tenha coragem para ordenar um ataque militar ao Irã". Em novembro, a Aiea divulgou relatório informando que os inspetores internacionais desconfiam do programa nuclear desenvolvido no Irã.

As autoridades iranianas negam irregularidades e a fabricação de armas nucleares no país. A desconfiança em torno do Irã gerou a imposição de sanções ao país por parte da comunidade internacional e da Organização das Nações Unidas (ONU).

No ano passado, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em parceria com o governo da Turquia, intermediou um acordo de paz com o Irã para reduzir as suspeitas contra o país. Pelo acordo, o urânio levemente enriquecedo seria enviado para a Turquia. No entanto, a comunidade internacional rejeitou a proposta e definiu sanções econômicas e comerciais contra os iranianos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias