naufrágio

Buscas a desaparecidos em acidente com navio são retomadas

Trabalhos foram interrompidos durante quase toda a quarta (18) devido a uma movimentação do navio que está apoiado em uma rocha

Emídia Felipe
Emídia Felipe
Publicado em 19/01/2012 às 9:20
Leitura:

BRASÍLIA - As buscas aos desaparecidos no acidente com o navio de cruzeiro Costa Concórdia foram retomadas nesta quinta-feira (19) de manhã. As buscas foram interrompidas durante quase toda a quarta (18) devido a uma movimentação do navio que está apoiado em uma rocha.

O Costa Concórdia bateu na rocha na madrugada de sexta-feira (13) para sábado (14), próximo à Ilha de Giglio, na região da Toscana, na Itália. Onze pessoas morreram e 26 estão desaparecidas, segundo balanço provisório das autoridades italianas.

O porta-voz da guarda costeira italiana informou que os mergulhadores vão usar explosivos para chegar ao interior do navio. Entre as dificuldades enfrentadas pelos mergulhadores estão móveis e portas partidas, espalhadas por vários lugares e corredores transformados em poços.

Há possibilidade de o combustível do navio começar a ser retirado ainda hoje. Cerca de 2,4 mil toneladas de óleo estão dentro do tanque e é preciso aquecer o combustível para que ele possa ficar mais líquido e ser facilmente retirado. De acordo com especialistas, essa operação poderá durar algumas semanas.

O capitão do navio, Francesco Schettino, está em prisão domiciliar desde terça-feira (17). Ele é acusado de homicídio culposo, naufrágio e abandono de navio. Há  suspeitas de que ele tenha abandonado o navio antes de todos os passageiros deixarem a embarcação.

A empresa dona do navio, a Costa Cruzeiros, acusou Schettino de fazer uma rota não autorizada, levando a embarcação a ficar mais próximo da costa do que deveria. Os passageiros que estavam no navio deram entrada em um processo judicial contra a empresa proprietária do Costa Concordia.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias