condecoração

Aung San Suu Kyi recebe o título de cidadã de honra na França

Aung Sang Suu Kyi recebeu o título de cidadã honorária em junho de 2004 durante uma votação no Conselho de Paris, quando se encontrava em prisão domiciliar em seu país

Milton Raulino
Milton Raulino
Publicado em 27/06/2012 às 11:04
Foto: Fred Dufour / AFP
Aung Sang Suu Kyi recebeu o título de cidadã honorária em junho de 2004 durante uma votação no Conselho de Paris, quando se encontrava em prisão domiciliar em seu país - FOTO: Foto: Fred Dufour / AFP
Leitura:

PARIS - A opositora birmanesa e prêmio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi recebeu nesta quarta-feira (27), em Paris, o título de cidadã de honra da cidade, concedido em 2004, e foi recebida com todas as honras na prefeitura, no segundo dia de sua visita à França.

Depois de uma reunião em particular com o prefeito socialista da capital francesa, Bertrand Delanoe, e com representantes da comunidade birmanesa em Paris, Aung San Suu Kyi, recebeu a distinção das mãos do prefeito.

Ante uma multidão que reuniu vários birmaneses, a opositora falou em francês e prestou homenagem "ao profundo apego de Paris à justiça e à liberdade, que não são o produto de ideias abstratas".

"Em 2009, quando estava na prisão, me disseram que Paris estava comovida e fiquei surpresa e feliz por Paris apoiar minha causa com tanto vigor", declarou a agora deputada birmanesa.

Aung Sang Suu Kyi recebeu o título de cidadã honorária em junho de 2004 durante uma votação no Conselho de Paris, quando se encontrava em prisão domiciliar em seu país.

Na véspera, ela se reuniu com o presidente francês, François Hollande, que manifestou seu apoio à transição democrática em Mianmar. Suu Kyi, por sua vez, aproveitou para pedir às empresas ocidentais que invistam em seu país para reforçar a democracia.

Após o encontro com o presidente, a defensora dos direitos civis birmanesa concedeu uma entrevista coletiva à imprensa ao lado de Hollande, que afirmou que a França "apoiará todos os atores da transição democrática em Mianmar, e fará todo o possível com (...) a União Europeia para que este processo seja concluído, ou seja, para que haja uma democracia plena".

O chefe de Estado indicou que está disposto a receber na França o presidente birmanês, o ex-general Thein Sein, "se quiser vir".

Com esta visita de Aung San Suu Kyi, última etapa de sua viagem europeia, a França quer manifestar seu apoio e também a disponibilidade de suas empresas para participar da reconstrução do país, depois de décadas de ditadura militar.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias