fauna

Comissão baleeira proíbe a caça de cetáceos a nativos da Groenlândia

Reunião no Panamá decidiu que povos aborígenes da Groelândia não poderão ter direitos à caça do animal

Da AFP
Da AFP
Publicado em 05/07/2012 às 14:52
Leitura:

CIDADE DO PANAMÁ - O organismo internacional que regula o comércio e a caça de baleias negou nesta quinta-feira (5) uma proposta da Dinamarca para estender os direitos de caça de baleias aos povos aborígenes da Groenlândia. Isso significa que os nativos da Groenlândia não poderão caçar nenhuma baleia depois que terminar sua cota no final de 2012.

Em um resultado que surpreendeu alguns observadores, os demais membros da União Europeia votaram contra a Dinamarca na reunião anual da Comissão Baleeira Internacional (CBI) realizada no Panamá, depois de não se chegar a um acordo para reduzir os limites de captura propostos.

Delegados e ambientalistas expressaram sua preocupação pela venda extendida de carne de baleia na Groelândia, uma região autônoma da Dinamarca, e consideraram que isso evidencia uma caça comercial encoberta e não uma pesca de indígenas para sua subsistência, permitida na moratória sobre a caça comercial vigente.

A Dinamarca propôs que os povos indígenas da Groenlândia pudessem caçar até 1.326 baleias entre 2013 e 2018, incluindo dez baleias corcundas por ano, um leve aumento em relação a um acordo estabelecido há dois anos depois de prolongadas negociações.

A iniciativa foi apoiada por 25 nações e obteve 34 votos contra e três abstenções. Os representantes da Dinamarca e Groenlândia expressaram sua indignação e sugeriram que estão pensando em deixar a comissão.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias