Marikana

África do Sul: morte de coelho causou violência em mina

Dois funcionários também afirmaram que mais mortes teriam ocorrido se não fosse o uso de um medicamento que, segundo a crença local, os faria imune a tiros

AE
AE
Publicado em 25/08/2012 às 14:09
Leitura:

Mineradores relataram a um jornal sul-africano que a morte de um coelho, contrariando o conselho de um curandeiro tradicional, está por trás dos violentos confrontos entre policiais e operários grevistas de uma mina de platina da África do Sul, que deixaram 44 mortos e 78 feridos na semana passada.

Dois funcionários da mina também afirmaram ao jornal Saturday Star que mais mortes teriam ocorrido se não fosse o uso de um medicamento que, segundo a crença local, os faria imune a tiros.

O minerador Khabo Khabo afirmou à publicação que o curandeiro havia reiteradamente alertado os trabalhadores da mina Marikana, pertencente à mineradora Lonmin, que não matassem um coelho que corria pelos arredores do local onde faziam um protesto por aumento salarial.

"Se tivéssemos deixado o coelho em paz, todos os que foram mortos ainda estariam vivos", disse Khabo ao jornal.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias