Venezuela

Chávez e Capriles encerram campanhas com discursos

A Venezuela tem 29 milhões de habitantes e é o país mais violento da América Latina. A inflação nos últimos 12 meses foi de 18,1%, também a mais alta da América Latina

Da Agência Estado
Da Agência Estado
Publicado em 04/10/2012 às 15:43
Leitura:

A capital Caracas e a cidade ocidental de Barquisimeto foram os cenários escolhidos pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e por seu opositor Henrique Capriles para fechar as campanhas políticas antes das eleições de 7 de outubro. A lei venezuelana determina que as campanhas devem ser encerradas à meia noite desta quinta-feira. Chávez, de 58 anos, deverá fechar a campanha com um comício no final da tarde na avenida Bolívar, no centro caraquenho, enquanto Capriles, de 40 anos, discursará em Barquisimeto a partir das 17h.

Chávez e Capriles passaram a última semana de campanha percorrendo a Venezuela, visitando às vezes dois Estados no mesmo dia e pedindo aos eleitores que compareçam às urnas no domingo. As últimas pesquisas publicadas na sexta-feira passada, como a da Datanálisis, indicavam que Chávez liderava as intenções de voto com 10 pontos porcentuais de vantagem, mas Capriles reduzia a diferença e 10% do eleitorado ainda estava indeciso. Outra pesquisa, a da Consultores 21, mostrou os dois em empate técnico, com 46% da intenção de voto em Capriles e 45% em Chávez.

Em Caracas, partidários de Chávez começaram a chegar ao centro da cidade desde as primeiras horas desta quinta-feira. A polícia fechou algumas avenidas para facilitar o acesso à avenida Bolívar. Centenas de partidários com camisas vermelhas caminhavam rumo ao centro. Chávez, que busca o quarto mandato, disse que espera vencer no domingo com pelo menos 10 milhões de votos. Dezenove milhões de venezuelanos estão registrados para votar. Mas Capriles parece ter apresentado o primeiro desafio sério a Chávez desde que o presidente venceu sua primeira eleição presidencial em 1998. Em 2006, Chávez se reelegeu com 7 3 milhões de votos, com mais de três milhões de sufrágios de vantagem sobre seu adversário de então, Manuel Rosales, que obteve 4,2 milhões de votos, segundo dados das autoridades eleitorais.

Chávez mantém o discurso de que se Capriles vencer a direita venezuelana voltará ao poder. Segundo ele, a "ultradireita" e o "imperialismo" eliminarão os programas sociais. Capriles nega as acusações e afirma que a Venezuela cansou das promessas não cumpridas por Chávez. Segundo ele, a Venezuela precisa de mais ação para enfrentar os problemas econômicos, como a inflação, a criminalidade e a falta de segurança.

A Venezuela é o país mais violento da América Latina, com uma taxa de 50 homicídios para cada grupo de 100 mil habitantes em 2011. O país tem 29 milhões de habitantes. A inflação nos últimos 12 meses foi de 18,1%, também a mais alta da América Latina.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias