manifestação

Desaparecimento de testemunha-chave de julgamento causa comoção na Argentina

Alfonso Severo deveria se apresentar em um julgamento pelo homicídio de um homem, morto em confronto com sindicalistas do peronismo

Allan Nascimento
Allan Nascimento
Publicado em 04/10/2012 às 22:38
Foto: Alejandro Pagni / AFP
Alfonso Severo deveria se apresentar em um julgamento pelo homicídio de um homem, morto em confronto com sindicalistas do peronismo - FOTO: Foto: Alejandro Pagni / AFP
Leitura:

BUENOS AIRES - O desaparecimento, esta quinta-feira (4), de uma testemunha-chave no julgamento do crime contra um militante de esquerda em 2010 causou comoção na Argentina, onde centenas de ativistas se mobilizaram na Praça de Maio para pedir que apareça com vida, no segundo caso do tipo desde que a democracia foi reinstaurada.

"Chega de sequestrar!" e "Aparecimento com vida" foram as palavras de ordem dos manifestantes e também as frases dos cartazes que exibiram no histórico passeio em frente à Casa de Governo, em uma quinta-feira que é o tradicional dia de ronda das Mães da Praça de Maio, constatou a AFP.

O desaparecido, Alfonso Severo (54 anos) foi visto pela última vez na quarta-feira às 23H00 (locais e de Brasília), quando devia se apresentar em um julgamento pelo homicídio de Mariano Ferreyra, do Partido Operário (PO, trotskista) em um confronto com sindicalistas do peronismo oficialista.

O caso de Severo é o segundo depois do de Julio López, um pedreiro de 77 anos que desapareceu em 18 de setembro de 2006, também um dia antes de depor em um julgamento por violação dos direitos humanos.

Em outra audiência, López havia dado um testemunho-chave nos tribunais para condenar à prisão perpétua Miguel Etchecolatz, ex-chefe de polícia acusado de crimes contra a humanidade durante a ditadura (1976-1983).

Durante o regime militar desapareceram 30.000 pessoas, segundo organismos humanitários.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias