eleições

Economia domina debate entre Obama e Romney nos EUA

Este foi o primeiro de uma série de três encontros entre o democrata e o republicano

Rafael Carvalheira
Rafael Carvalheira
Publicado em 04/10/2012 às 0:31
Leitura:

DENVER (EUA) - O primeiro debate presidencial das eleições de 2012 nos Estados Unidos ocorreu na noite da quarta-feira (3) na Universidade de Denver, no Estado do Colorado. O presidente dos EUA, Barack Obama, e seu adversário, o republicano Mitt Romney, enfatizaram os cortes de impostos como formas de reaquecer a economia norte-americana e gerar empregos. Os trinta minutos iniciais do debate, mediado pelo jornalista Tim Lehrer, da emissora estatal PBS, versaram basicamente sobre o corte de tributos e a situação fiscal americana. 

Obama no começo parecia mais calmo e Romney mais agressivo. Com o prosseguimento do debate, Romney partiu para o ataque, batendo principalmente na reforma da saúde e na alta taxa de desemprego nos EUA, superior a 8% da força de trabalho. Romney também criticou a dívida pública e o déficit norte-americano, ao dizer que o déficit aumenta pelo menos US$ 1 trilhão por ano. Obama disse que realizou cortes em programas do governo que não funcionavam mais e que economizou "bilhões". Ele disse que herdou duas guerras, em 2009, que foram pagas com "cartões de crédito" na era do republicano George W. Bush. Romney foi mais agressivo e interrompeu várias vezes não apenas Obama, como também o jornalista mediador da PBS.

Obama acusou Romney de querer aumentar os gastos com defesa em US$ 2 trilhões. Segundo ele, Romney destacou que pretende usar cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos em gastos militares, nível bem maior que o atual. Romney classificou o atual déficit dos EUA como "imoral" e que afirmou que ele tem "obrigação" de reduzi-lo, mas destacou que não é a favor de um plano de corte de US$ 5 trilhões. 

Romney disse que gerará 4 milhões de empregos apenas no setor de energia, e 12 milhões de empregos no total, se for eleito no dia 6 de novembro. Já Obama afirmou que seu governo gerou 5 milhões de empregos desde 2009, mesmo com os EUA "atravessando a pior recessão desde a Grande Depressão". Obama disse que reduzirá impostos para pequenas empresas da manufatura e aumentará os investimentos em educação, o que gerará empregos. Obama disse que agora a tarefa dele é "reconstruir o país".

Nos investimentos em energia, Romney citou que vai dobrar as licenças para perfuração de petróleo nos Estados Unidos. Outro ponto é aumentar o comércio dos EUA com a América Latina. Romney afirmou que não planeja aumentar o déficit e nem elevar impostos para os americanos mais ricos. "Elevar impostos não cria equilíbrio", disse ele. O candidato republicano disse que Obama aumentou o déficit americano mais que todos os presidentes anteriores juntos. Romney criticou Obama por desperdiçar US$ 90 bilhões investindo em energia limpa. Ele disse que esse dinheiro poderia ser usado para contratar vários professores e melhorar a educação.

Romney partiu novamente para o ataque quando acusou Obama de cortar mais de US$ 700 bilhões do programa de saúde pública Medicare, através da reforma no sistema de saúde executada parcialmente por Obama, que o republicano chamou ironicamente de "Obamacare". "Vou reinvestir US$ 700 bilhões no Medicare", disse Romney, que acusou o presidente de desmantelar o programa de saúde em vários trechos do debate.

"A iniciativa privada e os indivíduos sempre trabalham melhor", disse Romney, criticando a intervenção estatal na saúde. "Cinquenta por cento dos médicos dizem que não aceitarão mais pacientes do Medicare", disse Romney, ao afirmar que a reforma na saúde que Obama tentou executar a partir de 2009, e que encontrou uma forte resistência no Congresso, não deu certo. Romney não havia entrado em detalhes, antes do debate, sobre como agirá na saúde pública se for eleito. Romney disse que a competição entre os médicos e os planos de saúde baixará os custos do programa de saúde pública.

A crise europeia também foi citada no debate pelo republicano. Romney disse a Espanha gasta atualmente 42% do seu PIB com o governo, e que não quer "seguir o caminho da Espanha". Dados da agência Dow Jones indicam que o governo federal dos EUA gasta US$ 4 trilhões, de um PIB de US$ 16 trilhões, por ano, o que dá 25% da economia, e não os 42% citados por Romney. Segundo a Dow Jones, o republicano citou uma pesquisa de um instituto conservador, a Heritage Foundation, a qual também incluiu gastos dos governos estaduais e municipais nos EUA. 

Apesar do debate ser marcado por trocas de acusações e ironias, os candidatos trocaram algumas piadas. "Hoje estou comemorando 20 anos de casado com a Michelle", disse Obama logo no início. "Não tem lugar melhor para comemorar do que nesse debate" disse Romney, arrancando uma gargalhada da plateia na Universidade de Denver.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias