Tensão

Moradores de Kismayo, Somália, temem conflito entre clãs

A cidade era o último bastião controlado pelos extremistas aliados da Al-Qaeda, que taxavam bens que passavam pelo porto para financiar suas atividades

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 04/10/2012 às 14:27
Leitura:

Disputas entre clãs ameaçam o futuro da cidade somali de Kismayo de onde tropas da Somália e da União Africana expulsaram os extremistas islâmicos do Al-Shabab nesta semana. Moradores afirmam que a rivalidade prejudicará a criação do novo governo necessário para administrar a cidade e seu porto.

"Nós queremos paz, não disputas de clãs e não uma causa para o retorno do Al-Shabab", disse Muhammed Abdi, morador de Kismayo que conversou com a Associated Press por telefone. Os grupos brigam pela receita do porto, que é um dos maiores centros comerciais da Somália.

A cidade era o último bastião controlado pelos extremistas aliados da Al-Qaeda, que taxavam bens que passavam pelo porto para financiar suas atividades.

Reconhecendo a ameaça de um novo conflito, o principal oficial dos Estados Unidos na África, Johnnie Carson, pediu que o governo da Somália e as forças da União Africana "ajam rapidamente e estabeleçam estabilidade política" no local. O Quênia, o principal poder militar que capturou a cidade, convidou os clãs rivais para uma conferência em Nairóbi.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias