Tensão

Brasil preparado para impor sanções aos EUA em disputa do algodão

Roberto Carvalho de Azevedo, embaixador do Brasil na OMC, advertiu que o Brasil está disposto a esperar até o início de 2013 antes de tomar esta decisão

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 25/10/2012 às 17:04
Leitura:

O embaixador do Brasil na OMC, Roberto Carvalho de Azevedo, advertiu nesta quinta-feira (25) em Washington que o país está preparado para aplicar represálias econômicas aos Estados Unidos se Washington e Brasília não encontrarem uma solução para a sua disputa em torno do algodão.

"Não queremos fazer isso, mas (...) o Brasil está preparado para fazê-lo se for obrigado, se não houver alternativa", disse Azevedo, durante uma mesa redonda organizada pela Câmara de Comércio americana.

Azevedo, que se reuniu na quarta-feira (24) com autoridades comerciais e agrícolas do governo de Barack Obama, lamentou que não se tenha conseguido um "avanço maior" nas negociações.

Em 2009, a Organização Mundial do Comércio (OMC) autorizou o Brasil a adotar medidas comerciais de até 830 milhões de dólares por ano em represália contra os Estados Unidos por subsídios ao setor de algodão que distorciam o mercado e afetavam os exportadores brasileiros.

Mas em 2010, no momento em que entraram em vigor as sanções, ambos os países decidiram deixá-las em suspenso enquanto tentavam resolver o assunto.

Azevedo advertiu que o Brasil está disposto a esperar até o início de 2013.

"Temos esperança de chegar a uma solução até o final do ano ou começo do próximo. Se isso não ocorrer, teremos que levar a situação a Brasília", disse.

"Toda negociação é uma via de dois canais, e nós não chegamos a um bom mecanismo" para avançar, disse Azevedo, que, apesar disso, disse perceber "boa vontade" por parte dos Estados Unidos.

O representante brasileiro voltou a criticar um projeto de lei agrícola que está sendo discutido pelo Congresso americano, que, para Brasília, mantém os subsídios aos produtores de algodão.

"Não está em conformidade com os compromissos dos Estados Unidos com a OMC", disse Azevedo.

Desde 2010, os Estados Unidos entregaram aos produtores de algodão brasileiros 384 milhões de dólares, seguindo um acordo ao qual chegaram ambas as partes.

O Brasil é o terceiro maior exportador mundial de algodão e o quinto produtor, com dois milhões de toneladas em 2011, segundo a Associação Brasileira de Produtores de Algodão.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias