Religião

Peregrinos muçulmanos sobem o Monte Arafat

Muitos fiéis passaram a noite em barracas na árida planície de Arafat, enquanto outros, totalmente vestidos de branco, começaram a chegar durante a madrugada

AFP
AFP
Publicado em 25/10/2012 às 7:11
Foto: AFP
Muitos fiéis passaram a noite em barracas na árida planície de Arafat, enquanto outros, totalmente vestidos de branco, começaram a chegar durante a madrugada - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Mais de dois milhões de muçulmanos de 189 nacionalidades se reuniram nesta quinta-feira (25) no Monte Arafat, um ritual que marca o principal momento de uma peregrinação que acontece sem incidentes.

Muitos fiéis passaram a noite em barracas na árida planície de Arafat, enquanto outros, totalmente vestidos de branco, começaram a chegar durante a madrugada.

Entre os peregrinos estavam muitos sírios, que exibiam uma grande bandeira da rebelião iniciada há 19 meses contra o regime do presidente Bashar al-Assad.

"Deus, provoca o fim de Bashar al-Assad", implorou em voz alta Ahmad Al Mohamad, um peregrino sírio de 30 anos que chegou ao topo do Monte da Misericórdia, uma pequena colina que domina a área.

Muitos peregrinos subiram o monte orando, enquanto outros choravam de emoção.

O profeta Maomé pronunciou o "discurso do adeus" ao pé deste monte, dois meses antes de sua morte.

Até o momento não foi registrado nenhum incidente durante a peregrinação. Mais de 100.000 membros das forças de segurança foram mobilizados para garantir que o evento aconteça de maneira ordenada.

Durante a noite os peregrinos devem seguir para Muzdalifah, onde reunirão pedras para a lapidação de satã, um dos rituais que começam na sexta-feira (26), o primeiro dia da Aid al-Adha, ou festa do sacrifício.

O hajj (peregrinação) é um dos cinco pilares do islã que todo fiel deve cumprir pelo menos uma vez na vida, caso tenham os meios econômicos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias