Reforma

Líder das Damas de Branco pede passaporte para viajar ao Panamá

Pedido aproveita a reforma migratória que entrou em vigor na segunda-feira na ilha, informou a ativista

Da AFP
Da AFP
Publicado em 18/01/2013 às 22:09
Leitura:

A líder das Damas de Branco de Cuba, Berta Soler, solicitou nesta sexta-feira um passaporte para viajar pela primeira vez para o exterior e assistir a um encontro latino-americano no Panamá, aproveitando a reforma migratória que entrou em vigor na segunda-feira na ilha, informou a ativista.

"Hoje (sexta-feira) acabo de solicitar meu passaporte no cartório de Alamar (município onde ela vive, a leste de Havana) e me disseram para eu pega-lo em 8 de fevereiro", declarou Soler à AFP.

Ela explicou que a embaixada da Alemanha em Havana lhe havia entregue um convite do Ministério das Relações Exteriores alemão, "que cobre todos os custos", para que participe de uma reunião regional sobre direitos humanos no Panamá nos dias 17 e 18 de abril.

Também foi convidado para este encontro o dissidente José Daniel Ferrer, um ex-preso político que lidera a opositora União Patriótica Cubana e que mora em Santiago de Cuba, 900 km a sudeste de Havana, informou este mesmo ativista.

A partir da próxima segunda-feira os cubanos poderão pela primeira vez em 50 anos viajar para o exterior sem pedir permissão ao governo, depois da entrada em vigor de uma reforma migratória que eliminou a permissão de saída e a carta de convite, vigentes durante décadas.

Soler havia manifestado o seu ceticismo em relação a esta reforma, dizendo que era "mais do mesmo" e que não pretendia pedir passaporte porque "sempre vai existir um filtro (e) o governo cubano vai selecionar quem pode ou não deixar o país".

Embora tenha pedido o passaporte, Soler afirmou que continua "cética".

Soler nunca saiu de Cuba. Em 2005 o governo comunista negou a ela a permissão de viagem para receber com as outras Damas de Branco o Prêmio Sakharov que o Parlamento Europeu concedeu ao grupo, criado em 2003 por esposas de presos políticos (que foram libertados em 2010 e 2011).

"Depois que tiver o passaporte irei à embaixada do Panamá solicitar o visto", disse Soler, acrescentando que a embaixada alemã a ajudará.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias