mundo

EUA ainda estudam se usarão força militar na Síria

Falando a repórteres em Kuala Lumpur, capital da Malásia, Hagel se recusou a dizer quais medidas os EUA poderiam tomar

Da Agência Estado
Da Agência Estado
Publicado em 25/08/2013 às 10:20
Foto: AFP
Falando a repórteres em Kuala Lumpur, capital da Malásia, Hagel se recusou a dizer quais medidas os EUA poderiam tomar - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

O secretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, disse neste domingo que o governo Barack Obama ainda está avaliando se usará força militar na Síria, em resposta ao suposto ataque com armas químicas.

Falando a repórteres em Kuala Lumpur, capital da Malásia, Hagel se recusou a dizer quais medidas os EUA poderiam tomar. Ele disse que o governo está considerando muitos fatores, o que inclui uma avaliação da inteligência sobre o ataque na Síria, assim como o que ele chamou de questões legais e relacionadas ao apoio internacional para qualquer resposta militar.

Hagel está na Malásia para iniciar uma semana de turismo da Ásia, mas permanece em contato com Washington sobre a evolução dos acontecimentos na Síria.

Oficiais da inteligência dos Estados Unidos buscaram determinar ontem se o governo da Síria lançou um ataque de armas químicas letais em seu povo. Ao mesmo tempo, o governo de Barack Obama prepara uma possível resposta militar, deslocando suas forças navais para mais perto do território sírio.

Em reunião sobre o assunto realizada neste sábado com sua equipe de segurança nacional, Obama recebeu uma revisão detalhada das opções de resposta que ele solicitou aos EUA e seus parceiros internacionais, caso o processo de inquérito conclua que o presidente sírio Bashar Assad está envolvido em uma guerra química mortal, informou a Casa Branca.

Ao mesmo tempo, Obama salientou que uma intervenção rápida na guerra civil síria era problemática por causa das considerações internacionais que precederiam um ataque militar.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias