FARM BILL

Obama promulga lei agrícola e elogia ação bipartidária

Promulgação da lei, que define as políticas para o setor pelos próximos cinco anos, ocorreu na Universidade Estadual de Michigan

Da AE
Da AE
Publicado em 07/02/2014 às 21:16
Leitura:

O presidente Barack Obama elogiou nesta sexta (7) os esforços bipartidários para a aprovação da nova lei agrícola dos Estados Unidos (Farm Bill), e pediu que os legisladores dos dois partidos continuem trabalhando juntos. A promulgação da lei, que define as políticas para o setor pelos próximos cinco anos, ocorreu na Universidade Estadual de Michigan.

Lembrando que a lei aprovada resultou de concessões dos dois lados e não incluiu tudo o que ele queria, Obama destacou que os líderes democratas e republicanos quebraram o ciclo de decisões partidárias marcadas pela falta de visão. "É assim que devemos esperar que Washington trabalhe. É assim que Washington deve continuar trabalhando, porque temos mais trabalho a fazer", disse o presidente. "Vamos manter essa dinâmica."

Apesar dos elogios a ambos os partidos, a assinatura da lei contou apenas com a presença de democratas. O secretário de Imprensa da Casa Branca, Jay Carney, disse que 50 legisladores dos dois partidos foram convidados, mas nenhum republicano compareceu.

A nova Farm Bill, que inclui gastos de US$ 956 bilhões ao longo de 10 anos, é a primeira lei agrícola abrangente aprovada pelo Congresso desde 2008. 

O presidente também elogiou os esforços para preservar o financiamento ao Programa de Assistência à Nutrição Suplementar, lembrando que o programa tem mantido milhões de americanos fora da linha de pobreza.

Nesta sexta-feira, a Casa Branca também anunciou uma nova iniciativa, chamada "Feito na América Rural", que tem como objetivo ajudar produtores a aumentar suas exportações.

Homem é preso ao tentar invadir a Casa Branca - Enquanto Obama estava em Michigan, um homem foi preso pelo Serviço Secreto ao tentar escalar a cerca ao redor da Casa Branca. A identidade do homem não foi revelada. Ele levava consigo duas mochilas, mas ainda não se sabe o que havia dentro nem por que ele tentou entrar na Casa Branca. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias